quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Deus Castiga .

Oi pastor Valdeci, tudo bem? Meu nome é Raquel*. Sabe pastor, sempre ouço pessoas dizerem que Deus não castiga ninguém. Entretanto, já achei uma porção de textos que dizem o contrário. Que tem para me dizer sobre isso? Afinal, se Deus é amor, como pode ser vingativo, agindo com castigos?

Raquel*, a palavra “castigo” pode ser entendida por diferentes sentidos.

“Castigo”, morfologicamente falando, vem da raiz adjetiva latina “cast” que, no latim, pode significar “instruído”, “educado”, “livre de falta”, “puro”, “casto”. O antônimo de “cast” é “inceststus”, que significa “impuro”, “culpado”, “poluído” ou “adulterado”, e resulta em nosso verbete “incesto”. O verbo a partir desta raiz (cast) é o latino “castigo” que quer dizer “educar”, “corrigir”, “repreender”, “censurar”, “castigar”, “punir”, “conter”, “reprimir”, “estreitar”, “apertar”, “comprimir”, “contrair”, “purificar”, “filtrar”. Isto é a origem estrutural, vinda do latim, da palavra “castigo” em português.

Agora, com o decorrer do tempo e as transculturações sofridas na língua portuguesa, o termo “castigo” tem alcançado uma grande variação semântica. Veja alguns significados trazidos por dicionários da nossa língua:

1) Observação sobre um erro ou uma falta; repreensão, admoestação, correção; 2) Pena ou punição que se inflige a pessoa ou animal; 3) Imposição de sofrimento; mortificação, importunação; 4) Má sorte; 5) Pena ou derrota injusta e humilhante; 6) Fazer qualquer coisa por ser obrigado; 7) Surra, sova, tunda; 8) Agressividade ou impetuosidade de um dos parceiros durante o coito, deixando o outro exausto; 9) Aplicação rigorosa ao trabalho; 10) Vingança.

Precisamos saber qual destes significados estava na cabeça dos escritores bíblicos quando escreveram que Deus castiga. Na versão bíblica Revista e Atualizada, de João Ferreira de Almeida, encontramos a palavra castigo ou alguma variação da mesma (castiguei, castigarei, castigar, etc), referindo-se a uma ação direta de Deus, 110 vezes. As traduções em português não medem palavras para declarar que Deus castiga.

Algumas versões substituem a palavra castigo por outros termos como disciplina, açoite, correção, etc. (Por exemplo, a RA, em Ap 3:19, usa a palavra disciplina e em Hb 12:6 usa açoite).

Hebreus 12:6 é um exemplo das tantas passagens bíblicas que, em várias versões da Bíblia, usa a palavra castigo. É uma das declarações mais claras da Bíblia dizendo que Deus castiga.

Porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe (João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada).

Pois o Senhor corrige quem ele ama e castiga quem ele aceita como filho (Linguagem de Hoje).

Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho (João Ferreira de Almeida).

Nesta passagem, o original grego que foi traduzido como castigo é “paideuw”. Os dicionários definem, do Grego para o Português, “paideuo” como “treinar crianças”; “ser instruído ou ensinado”; “levar alguém a aprender”; “punir ou castigar com palavras”, “corrigir o erro”, “ação daqueles que moldam o caráter de outros pela repreensão e admoestação”; “purificar”; “punir com pancada”; “açoitar”; “ação de um pai para com seu filho”; “ação de um juiz que ordena que alguém seja penitenciado”.
Paidéia tinha esta significação de educação e instrução porque, no pensamento grego, era usado para identificar alguém que fosse um Paidagogós, isto é, um aio ou tutor. As pessoas tinham o costume de ter alguém específico, escravo ou liberto, que conduzia o menino à escola, ida e volta. Às vezes, superintendia seu procedimento, mesmo na escola. Era responsável especialmente pelo seu caráter até sua maioridade, gozando de posição de estima no lar e de domínio sobre o menino durante toda a sua menoridade, para sua disciplina. Daí se origina a palavra pedagogo: de paidagogós, aquele que dá a paidéia, a disciplina, a educação, o treinamento, a instrução, a correção, o castigo, a cultura.

Logo, entendemos que em Hebreus 12:6, Deus está dizendo: Eu instruo, ensino, corrijo, disciplino, dou educação; eu pedagogizo.

Esta compreensão dos termos que mais se originam da tradução para “castigo” demonstram uma ação divina de caráter educativo e não vingativo.

Dos textos bíblicos em suas línguas originais – hebraico e grego – outras palavras, que são usadas com bem menos frequência, também são traduzidas para o português como castigo. Veja abaixo:

Algumas ocorrências no Hebraico do A.T.

Rib –“processar juridicamente” – cerca de 9 ocorrências.
Naqam – “intervir contra os inimigos que ameaçam Seu povo” – cerca de 4 ocorrências.
Paqad – “visitar” – um exemplo de sua ocorrência é Êxodo 20:5.
O termo traduzido como “visito” em Êxodo 20, vem do original hebraico “paqad”. É uma raiz primitiva que quer dizer: “comparecer”, “convocar”, “numerar”, “calcular”, “visitar”, “punir”, “nomear”, “cuidar de” ou “tomar conta”. O contexto do texto original dá a ideia do segundo significado, “convocar”. Como se Deus, depois de um tempo em que o humano estivesse rebelando-se, convocasse-o para uma prestação de contas, para colocar as coisas em prato limpo, para arrazoarem o caso.

A palavra que em Isaías 5:3 5 está traduzida como “castigo”, corresponde ao temo hebraico “rowm muwcar”. Os dicionários traduzem, em primeiro lugar, como: “disciplina”, logo em seguida, vem o significado “correção” e, somente em último caso, o nosso verbete português “castigo”.

Algumas ocorrências no Grego do N.T.
Diké – “expectativa de julgamento”; “destruição” – 3 ocorrências.
Kolasis – “cortar fora aquilo que não se encaixa” – 4 ocorrências.

Em Mateus, 25:46, quando vemos a palavra “castigo”, ela é correspondente ao original grego “kolasis”. Os dicionários definem como “correção”, “punição,” e também “penalidade”.

Note que as ocorrências da tradução para o termo castigo não se originam de ações da parte de Deus, como que “impondo sofrimento”, “importunando”, “vingando”, “penalizando”, “derrotando” ou “humilhando injustamente”, etc. Mas percebemos uma ação de “observação sobre um erro ou uma falta”; de “repreensão”, uma “admoestação”, uma “correção”. Perceba que, neste parágrafo, estou usando, tanto para dizer o que Deus não faz, quanto para indicar o que Ele faz, definições de dicionários da língua portuguesa (supracitadas) para uma mesma palavra: castigo. Isso é muuuito importante. Podemos responder a pergunta “Deus castiga?” com um “sim” ou com um “não”. Depende do que se quer dizer com a palavra “castigo”. Percebe?

"Deus é amor" (1 João 4:8). Apesar disto, o Diabo, em sua rebelião, negou este traço do caráter de Deus e O acusou de injusto, argumentando que exigir fidelidade e obediência à Santa Lei era falta de amor. Quando finalmente conseguiu que o ser humano vivesse à margem da lei, ou seja, que vivesse em pecado (1 João 3:4), e pelo pecado entrasse a dor (Isaías 24:4-6) e, finalmente, a morte (Romanos 5:12, 19), conseguiu que Deus fosse acusado de injusto por não acabar com tudo isto. Na cruz, porém, Deus exibiu inquestionavelmente Sua justiça e misericórdia.

Foi tão justo que não pôde tolerar o pecado, pelo que castigou em Cristo, nosso substituto (Isaías 53:6). Ao mesmo tempo expressou tanto amor que "deu Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (João 3:16). Sim, na cruz de Cristo "encontraram-se a graça e a verdade, a justiça e a paz se beijaram" (Salmo 85:10).

Satanás, porém, continua infiltrando calúnias contra o caráter de Deus. "Se é bom - dizem alguns - por que castiga e destrói?" "Se é justo - dizem outros - por que permite que o pecado continue?" Mas a Santa Bíblia esclarece ambos os pontos. O Senhor "é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento" (2 Pedro 3:9). Ao mesmo tempo, diz: "Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso, e arrepende-te" (Apocalipse 3:19). Finalmente, esgotados os recursos que conduzem ao arrependimento, em um ato de misericórdia, e por amor de Sua justiça e dos Seus filhos que a desejam, Deus tem de fazer Sua "obra estranha" (Isaías 28:21), destruindo aos que escolhem viver à margem dos princípios que imperam no reino eterno. Porque Deus é tão justo e misericordioso que respeita o livre-arbítrio e permite que os rebeldes colham as consequências da decisão que fazem. Que Deus castiga, no sentido de corrigir do mal, ou no sentido de exterminar o mal que não tem mais recuperação (especialmente no juízo final), é uma verdade revelada a nós. Entretanto, isto não deve influir na motivação de nosso relacionamento com Deus.

Mas o que Ele mais deseja é dar-nos Sua disciplina de amor. No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor. 1 João 4:18.

Um abraço,


________________
*Para manter a privacidade, o nome real da pessoa foi alterado.

6 comentários:

  1. Sim, penso que Deus castiga. Mas Ele faz isso porque ama. Pude ter uma compreensão maior disso depois que meu filho nasceu. Como passei a entender melhor o amor de Deus!!! Porque quando preciso disciplinar o meu filho, muitas vezes dói, afinal ele é muito precioso pra mim. Mas não devo pensar apenas no presente, mas ter em mente meu objetivo final em relação a ele: formar um homem com caráter digno. Então, penso que Deus precisa nos dar alguns "puxões de orelha" para nos moldar, a fim de nos capacitar a sermos cidadãos do reino celestial. Isso é amor! Sofrer dói, mas não vejo outra forma de ser diferente enquanto vivemos aqui neste mundo.

    ResponderExcluir
  2. E ae Pr. Valdeci Júnior?

    Olá
    Eu, Hermes, sou dono de um site que foi feito para minha igreja. Creio que eu e meus irmãos da igreja tem muitas perguntas a fazer. Então, podemos fazer parceria?
    Me mande um e-mail para que eu possa esclarecer melhor a minha proposta você: iasdveneza@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. Muito do que chamamos "castigo de Deus", nada mais é do que consequência dos nossos maus atos. É indiscutível a premissa de que Deus é bom!Está escrito em cada particula de ar que respiramos, e até a repreensão de Deus faz parte de sua bondade.

    ResponderExcluir
  4. Pastor, muito bom esse seu estudo.
    Eu acredito muito no amor de Deus. Não acredito ke Deus venha ser esse carrasco ke o povo diz ser. o povo de Israel sofreu puniçao pq keria ficar no erro.
    Ele tomou sobre si as nossas dores, maldições e pecados. Nos amou tanto ke deu seu único filho para ke temos vida eterna. Ele é nosso pai e nos instrui na palavra. Uma hora ke erramos com Ele e reconhecemos nosso erro, Ele nos perdoa. Permanecer no erro ke faz agente se afastar da sua presença e nos faz ter esse pensamento ke Deus ke pune. Se algum momento ke a criança erra e o pai manda nao fazer mais, a priori ele conversa como vc falou, instrui. Depois se no persistir do mesmo erro ke o pai repreende com a vara, é o ke está em provérbios ke se for preciso usar a vara ( o castigo ou punição ).
    O novo na fé ( " criança " ke nao intende a palavra ) Deus exorta para ke aprenda com muito amor, o seu caminho. Já o ke conhece ao errar consete seu caminho, para ke nao venha se distanciar da presença de Deus e dar legalidade ao inimigo. Fazendo assim a sua própria vida se torne um castigo. Deus é bom! A sua misericórdia dura para sempre.

    ResponderExcluir
  5. klaro qe deus não kastiga !!!
    ele da tudo pra vc , inklusive a boka. Então é vc mexmo qe se kastiga ou seus gestos....
    vc é qe sabe !!

    ResponderExcluir
  6. A punição é essencial ,Deus não castiga então ele vira Deus do injusticador e nao existe inferno que é o local do castigo eterno,eu queria um Deus que castiga e faça justica!do que um que só perdoa e estimula o mal crescer.

    ResponderExcluir

Quer dizer o que pensa sobre o assunto?
Então, escreva aí. Fique à vontade.
Mas lembre-se: não aceitamos comentários anônimos.
Agora, se quiser fazer uma pergunta, escreva para nasaladopastor@hotmail.com