sábado, 30 de junho de 2012

ORAÇÕES DIRETAS - Salmos 86-89


Como você se sente ao falar com alguém que nunca viu? No mundo moderno em que vivemos, fazemos muito esse tipo de coisa, não fazemos? Por exemplo: por telefone, você fala com o vendedor de uma operadora de telemarketing, negocia com ele, fecha o negócio, mas não sabe quem é a pessoa que o atendeu. Pela internet, também, costumamos “conversar” com muitas pessoas com quem nunca nos encontramos pessoalmente. É possível confiar na conversa dessas pessoas?
Quem trabalha em áreas administrativas de grandes empresas também costuma ter até colegas de trabalho com quem lida, mas que nunca os viu pessoalmente. Nesses, confiamos, porque, por indicação do trabalho, “sabemos” quem é a tal secretária ou o tal encarregado. Confiar em quem nunca vimos é interessante... Nunca confiamos em alguém “do nada”.
Costumo comprar coisas pela Internet. Não compro de tudo, mas existem alguns artigos de consumo, que compro mais pela Internet que por qualquer outro meio. E daí, dá para confiar? Posso dar o número do cartão de crédito e ficar tranquilo? É claro que não! Mas não compro em qualquer site. Tenho, na minha lista, aquelas lojas, vendedores, sites e páginas que, para mim, são confiáveis. E não me arrisco em procurar outros. Nesses da minha lista eu confio porque conheço. Pela postura empresarial que eles têm e seriedade do trabalho, termino confiando neles, mesmo que virtualmente.
Eu estava lendo um livro que trata um pouco dessa virtualidade que podemos sentir em relação a Deus. O nome dele é O Deus (in)visível. É um livro muito bom. Identifiquei-me bastante com a leitura dele, porque, por muitas vezes, já me deparei com alguns questionamentos do tipo: “Como podemos confiar nesse Deus com quem nunca tivemos um contato pessoal, físicamente falando?”
Você já sentiu o toque físico de Deus? Já ouviu o timbre da voz dEle? Ou, pelo menos, Seu cheiro? Sabe qual é uma boa dica para exercer a fé, mesmo que não possamos ver Deus? É fazer como os salmistas faziam. Eles não falam sobre Deus; falam diretamente para Deus.
Os melhores hinos de adoração são aqueles que, quando os cantamos, nos dirigimos diretamente a Deus em primeira pessoa. Os salmos eram assim: não tão profundos, filosóficos ou teológicos; muitas vezes, eram até repetitivos. A musicalidade deles também era simples, mas quase sempre eram escritos em primeira pessoa falando diretamente para Deus.
Parecem muito com essa música contemporânea gospel de adoração que existe hoje em dia. Parece muito com o que o cristão deve fazer: de maneira simples e cheia de fé, ir diretamente a Deus. Ore e louve com os salmos! Você ficará muito mais feliz!

Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


sexta-feira, 29 de junho de 2012

A vida e as visões de Daniel



Babilônia era uma cultura autoindulgente, autocentrada, ímpia e idólatra. As pessoas estavam preocupadas com si mesmas, na beleza exterior, inteligência, posição e orgulho. Soa familiar? Parece com nosso contexto atual?

Daniel e seus amigos poderiam ter apenas dez ou doze anos de idade quando foram levados a enfrentar um desafio: fundir-se na cultura da grande cidade onde eles se encontravam cativos ou permanecer firmes contra a tentação, honrando o único Deus verdadeiro com suas vidas.

À medida que os jovens amadureciam, era-lhes dada a oportunidade de dar as costas a Deus. Porém, ao invés disso, continuaram completamente devotos a ele. Confiantes não nas próprias habilidades, mas na fidelidade e no poder do Deus que eles amavam, recusaram a ser identificados pela cultura pagã que os cercava. Nabucodonosor até trocou seus nomes, que os identificavam com Jeová, o Deus de Israel, por nomes que honravam falsos deuses. Ainda assim, esses bravos homens permaneceram firmes ao que eles sabiam que era certo, mesmo enfrentando consequências mortais. Suas histórias se desenrolam para mostrar que Deus está realmente no comando, não importando como as circunstâncias se apresentem.

Daniel e seus amigos viviam uma vida de radical obediência e devoção ao Senhor, embora rodeados por uma cultura de pecado. Isso parece o tipo de pessoa que você gostaria de ser? E não é esse o caráter sólido que desejamos para nossos filhos e maridos? Leia o livro de Daniel e você será inspirado por esse personagem e por seus amigos.

Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


Fonte: Texto adaptado do guia da Bíblia da Mamãe em inglês

RESUMÃO EXPLICATIVO - Salmos 81-85


Você já fez sua leitura bíblica diária? No relato de hoje, vemos alguns salmos pequenos, mas que possuem curiosidades muito interessantes. Darei uma visão geral de cada um deles  baseado no Novo Comentário da Bíblia para ajudar a você a compreendê-los melhor.
Salmo 81: ele aparece na Bíblia em duas partes. A primeira é um  hino, e a segunda é um tipo de homilia da colheita. Tradicionalmente, esse salmo está relacionado com a Festa dos Tabernáculos. Há alguns comentaristas que também acham que ele relaciona-se com a Páscoa, mas a relação dele com a Festa dos Tabernáculos é a mais provável.
Salmo 82: é o salmo dos juízes injustos impedidos por Deus. Esses juízes receberam a condenação de Deus por usar de parcialidade para com os fracos e por deixar de notar que a justiça estendia-se aos desamparados da sociedade.
Salmo 83: apresenta um grito de socorro contra uma confederação do mal. O povo hebreu estava correndo perigo devido à ambição dos vizinhos deles. Mas é interessante que, mesmo assim, a maior aliança de estados adjacentes à Palestina que encontramos no Velho Testamento está nos versos seis a oito desse salmo. É curioso que nem aquela coligação que foi feita contra Josafá em 2 Crônicas 20 foi tão abrangente como essa. O autor desse poema deve ter sido Jaaziel.
O Salmo 84 poderia intitular-se “Regozijando-se no santuário”. Observe que esse salmo, diferentemente dos onze salmos que tem antes dele, traz o título "Para os filhos de Coré", igual o Salmo 42, que também era para os filhos de Coré. Eles devem ter sido compostos pelo mesmo autor. A diferenca é que no 42, o autor lamenta por estar exilado da casa de Deus, e no 84, canta de alegria porque está voltando para adorar na casa de Deus.
Por fim, o Salmo 85 é  uma “oração” pedindo reavivamento. Vemos, aqui, o cenário do que aconteceu quando os primeiros exilados retornaram da Babilônia para Judéia. A excitação e o júbilo que eles vinham trazendo se transformou em uma verdadeira decepção, quando viram a pobreza e a miséria da terra mãe que os aguardava. Esse salmo também reflete, claramente, como eram os pensamentos dominantes dos homens piedosos que enfrentaram o trabalho e o labor da reconstrução descritos no livro de Neemias.
Ficamos por aqui com um quadro geral da leitura de hoje. É lógico que existem mais detalhes, mas não posso dizer tudo, não é mesmo? Afinal, não posso roubar sua parte que é ler e descobrir, por você mesmo, os tesouros espirituais preciosos de todos esses salmos.
Medite no Salmo 84:10-12 e sinta-se amado pelo cuidado de Deus!

Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


quinta-feira, 28 de junho de 2012

Construindo Igrejas Como McDonald's


Acabo de ler dois materiais muito interessantes que o meu professor de Teologia e Metodologia de Plantio de Igrejas recomendou-nos ler. Gostei tanto, que quero compartilhar uma palhinha deles aqui contigo.

Sobre o meu professor desta matéria, Emílio Abdala, ele é um conferencista, professor e pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia. De acordo com seu site missaourbana.net, ele tem um “D.Min pela Andrews University em Evangelismo e Crescimento de Igrejas” e também já “trabalhou como professor do SALT (Seminário Latino-Americano Adventista de Teologia) de 1995-2009”. Atualmente, Abdala é o evangelista da organização adventista para o Estado de São Paulo. O site de Abdala é o www.misaourbana.net .

O primeiro artigo é do próprio professor Abdala, e pode ser lido em http://missaourbana.net/index.php/plantar-ou-construir-igrejas/ . Trocando em miúdos, a questão é: quando estamos abrindo uma nova congregação de crentes, o melhor é alugar um lugar, permanecer num lugar emprestado, ou comprar/construir um prédio próprio?

As vantagens são ter uma identidade com um endereço fixo de referência, o design adequado ao uso, um imaginário positivo na mente da comunidade, e o aumento do comprometimento dos membros. As desvantagens seriam o auto custo da aquisição do imóvel e o desânimo gerado por isso.

Numa situação dessas, é importante priorizar as pessoas, cuidar com a localização e arquitetura, ser flexível quanto ao que seria o melhor, fortalecer os pequenos grupos, e colocar como norteador da decisão o foco da missão que a igreja possui.

Estes são conselhos endossados por Roger Greenway, que é Th.D.  e professor de missiologia mundial no Calvin Theological Seminary.

O segundo artigo é do Dr. William L. Wagner, e pode ser lido em http://missaourbana.net/index.php/o-que-podemos-aprender-com-o-mcdonald-s-4/ . Wagner é apaixonado pelo trabalho com islâmicos. Tanto é, que publicou um livro cuja tradução do título seria “Como os Islâmicos Pretendem Mudar o Mundo”. Ele é doutor em teologia pela Universidade Sul Africana, doutor em missiologia pelo Seminário Fuller (Califórnia), Mestre em divindade pelo seminário batista do sul (Texas) e bacharelado na Universidade do Novo México.

Bill, como assina no texto, é professor na área de missões transculturais. Antes de ser diretor associado da Escola de Estudos Interculturais do seminário teológico batista Golden Gate, em Mill Valley, Califórnia, ele atuou como missionário, por 31 anos, na Europa, no Oriente Médio e no Norte da África.

O título do artigo de Bill é O que Podemos Aprender com o McDonald’s? Uma reflexão continuada a partir do questionamento: “É só FastFood ou poderia ser uma teoria de plantio de igrejas?”. Boa pergunta, não é mesmo? A resposta que o próprio autor dá é a de se o McDonald’s tem tanto sucesso em conquistar o mundo com seus estabelecimentos, então temos algo a aprender com ele para nossa tarefa de plantio de igrejas.

Este aprendizado pode ser resumido em sete lições básicas do que é preciso ter quando se pensa em plantar um movimento de plantação de muitas igrejas: 1) Ter consideração pelo desafio do crescimento; 2) Ter uma estratégia; 3) Ter o foco certo no público alvo certo; 4) Valorizar a boa localização; 5) Manter os padrões em um alto nível; 6) Desenvolver um programa de mentoreamento; e 7) Ter uma visão que continua como um legado interminável.

Praticar estas sete coisas no serviço missional da igreja pode ser uma boa saída para a multiplicação da mesma.

Um abraço,
Twitter: @Valdeci_Junior


HISTÓRICA INSPIRAÇÃO - Salmos 78-80


Não sei qual é a sua história, mas, com certeza, você tem uma história. Imagino que ela seja muito interessante. E aí, você pensa nela? Que tal, se não somente parasse para pensar na sua história, mas se você também a escrevesse?
Existem pessoas que gostam de fazer diário. Outro dia, lá em casa, minha esposa encontrou uns cadernos antigos do tempo em que namorávamos, onde ela fazia uma espécie de diário, um diálogo dela com Deus. Então, ela ficou lendo para mim. A Fátima dizia: “Olha, meu amor, esse aqui é do dia tal, do mês tal, do ano tal.” Daí, quando ela lia, recordávamos daquelas coisas com admiração, porque, se não fosse aquele caderninho, não nos lembraríamos de muitos detalhes. Damos muita risada juntos. É uma pena que não posso mencionar o que estava escrito.
Mas falando sobre pensar, escrever e ler a nossa história, essa palavra tem sua origem nas investigações de Heródoto, o antigo históriador grego que, apesar de que não tinha boas aplicações de métodos críticos, ficou conhecido como o “pai da história”. Na realidade, Tucídides, que veio depois de Heródoto, foi o primeiro que realmente aplicou métodos críticos, como, por exemplo, o cruzamento de dados e fontes diferentes.
Assim, podemos perceber que qualquer pessoa pode escrever sua história. É só fazer como Heródoto: registrar o que acontece. Veja a definição atual que temos dessa palavra: “A História é o estudo, ou o registro, ou o conhecimento, da humanidade no tempo, analisando as coisas que aconteceram no passado.” Como temos a tendência de esquecer das coisas, é por isso que a história é escrita.
Para entender a vantagem disso, você precisa fazer a leitura bíblica diária. No relato de hoje, principalmente no Salmo 79, vemos um verdadeiro relatório histórico, relembrando tudo o que Deus tinha feito por aquele povo, no passado. Sabe pra quê? Para, então, conseguir ter a fé necessária o suficiente para conseguir fazer a oração que está no Salmo 80:17-19: “Repouse a tua mão sobre aquele que puseste à tua mão direita, o filho do homem que para ti fizeste crescer. Então não nos desviaremos de ti; vivifica-nos, e invocaremos o teu nome. Restaura-nos, ó SENHOR, Deus dos Exércitos; faze resplandecer sobre nós o teu rosto, para que sejamos salvos.”
Pare para pensar um pouquinho nas inúmeras bênçãos que Deus já lhe deu. Só o fato de ter nascido, já é um milagre. Você não precisa ter medo do futuro, a menos que se esqueça do cuidado de Deus até aqui. Busque ter um coração agradecido, lembrando que o maior presente que Deus já lhe deu é a salvação!

Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


quarta-feira, 27 de junho de 2012

Movimento de Plantação de Igrejas


Graduado em 1979 pela Universidade Batista Ouachita, mestrado em divindade (1982) pelo seminário batista Golden Gate e doutorado PhD ( 1988) pela Escola de Divindade da Universidade de Chicago, David Garrison é um missionário americano batista do sul. Ele já supervisionou missões na Ásia, Europa, Oriente Médio e África. Nisto, ele é autor de vários livros já traduzidos para mais de 10 línguas e consultor para dezenas de países. Já atuou em missões em Hong Kong, Alemanha, França, Inglaterra, Tunísia e na Índia. Mais sobre seu ministério pode ser lido em Church Planting Movements.

Como fruto de toda esta sua experiência, este pastor e professor universitário nos assuntos de missões escreveu um livro muito prático. Em sua tese, para David Garisson, não basta pregar o evangelho para ganhar pessoas. Para ele, é preciso ganhar grupos de pessoas, de maneira que cada vitória evangelística não seja somente a conversão de uma pessoas, mas a de várias, de maneira que uma comunidade entre elas fique estabelecida. E como fazer isso? Isso não pode dar errado? Sim, pode dar errado. Então é aí que entra este livro, propondo-se a ser o orientador que dará as dicas certas para fazer isso da forma certa, de maneira que, no fim, dê tudo certo.

No primeiro capítulo, Garisson explica o que ele quer dizer com o termo Movimento de Plantação de Igrejas. Para ele, trata-se de um crescimento “rápido e multiplicador de igrejas nativas plantando igrejas em um dado grupo de pessoas de um segmento da população”

No terceiro capítulo, o autor menciona que, ao observar os movimentos de plantação de igrejas ao redor do mundo, pode-se observar que eles têm 10 elementos em comum, dignos de serem considerados por qualquer um que queira implantar um movimento assim. São eles: 1) A prática da oração; 2); Uma semeadura abundante do evangelho; 3) Uma estratégia deliberada da implantação; 4) Conformidade com a Bíblia; 5) Uma boa liderança local; 6) Liderança leiga; 7) Os Pequenos Grupos; 8) A consciência da existência de uma igreja mãe que gera uma filha que um dia também será mãe; 9) O acontecimento de uma reprodução que não demore; e 10) A preocupação com a saúde eclesiástica destas igrejas. Estes dez elementos, para David, são Universais.

Entretanto, Grarisson também reconhece outros dez fatores que os movimentos de plantação de igreja têm, que não chegam a ser necessariamente universais, mas que são comuns entre os movimentos de crescimento de igrejas. São eles: 1) Adoração que fale ao coração; 2) Um certo coletivismo no envolvimento das pessoas no processo evangelístico; 3) Uma rápida incorporação dos novos convertidos tanto na família quanto no ministério da igreja; 4) A presença de uma paixão destemida no processo da implantação da igreja, pelo que está acontecendo; 5) A disposição de pagar os preços da impopularidade de tornar-se cristão; 6) O aproveitamento de ganhar espaço no vácuo que tem sido deixado na sociedade pela falta de liderança hoje existente no mundo; 7) A atividade de estar capacitando lideranças para as novas igrejas; 8) A descentralização da autoridade de liderança, ou seja, o compartilhamento da mesma sem a burocratização hierárquica; 9) A sensibilidade de respeitar a cultura local em tudo o que não ferir os princípios bíblicos; e 10) os sofrimentos normais que são o preço que os missionários têm a pagar. Este é o tema do quarto capítulo.

Já o quinto capítulo traz a apresentação de dez identificadores práticos de coisas que o plantador de igrejas pode fazer: 1) Adotar, desde o início, a prática de um movimento de plantação de igrejas que siga uma determinada orientação; 2) Desenvolver e implementar estratégias compreensivas; 3) Estar sempre avaliando todas as coisas com a finalidade de alcançar o que realmente se espera; 4) Empregar uma colheita de precisão; 5) Preparar os novos crentes para as possíveis provações que irão surgir; 6) Envolver totalmente os conquistados pelo Movimento de Plantação de Igrejas no próprio movimento; 7) Praticar a metodologia do acróstico POUCH (na língua inglesa) que inclui o estudo participativo da Bíblia, a obediência, a participação leiga, e os pequenos grupos nos lares; 8) Desenvolver múltiplas lideranças em cada Pequeno Grupo; 9) Treinar tais lideranças; e 10) Modelá-las num tipo de assistência prestada a elas que as levará a poderem ser observadas em sua própria prática de trabalho para enfim serem deixadas autônomas na mesma.

O livro termina ainda respondendo a várias perguntas sobre o Movimento de Plantação de Igrejas, trabalhando com os obstáculos que podem surgir para impedir esta atividade missionária, e tecendo uma fina compreensão do ideal a ser perseguido na prática da mesma.

Esta obra é muito importante para a parte a área de conhecimento da Missão Urbana que busca adquirir conhecimentos específicos e práticos relacionados às práticas de plantação de igrejas eficazes, com aplicação transferível para seu contexto de ministério.

Para mim, este livro fica como um manual prático. Como um pastor que busca plantar igrejas, posso telo como um guia a ser sempre consultado, no objetivo de estar orientando-me quando ao que devo e ao que não devo fazer nesta prática missional. Portanto, recomendo-o a todo e qualquer pastor que também queira cumprir o mandato de Cristo de levar o evangelho a todos os tipos de gente.

Um abraço,

Twitter: @Valdeci_Junior



SALMOS DO PASTOR ASAFE - Salmos 72-77


É um prazer comentar sobre a leitura bíblica, afinal, estamos estudando um livro incrível: Salmos. Com eles, aprendemos muitas lições importantes, bem como achamos inspiração para adorarmos a Deus de uma forma muito bonita e sublime.
Hoje, leremos o Salmo 72, que faz muitos elogios o rei. E dá bem para entendermos isso, porque quem escreveu esse salmo foi Salomão, onde ele fala com Deus sobre o rei justo e o reinado eterno do rei Davi, filho de Jessé. Percebemos o envolvimento de Salomão com o reinado de Davi através da poesia porque, na realidade, o primeiro grupo de salmos que temos hoje, colecionados na Bíblia, que na sua grande parte é um conjunto de salmos escritos por Davi, foram colecionados por Salomão.
Salomão estava tão empolgado com aquela coleção de salmos do pai dele - que era tão inspiradora - e tão saudoso com as lembranças do que tinha sido o reinado do pai, que Salomão também escreveu seu salmo e juntou-o àquela coleção. Tanto é que você pode ver que em seguida, a partir do Salmo 73, já começa outro livro dos salmos, já entrando para a segunda metade do livro total. Portanto, o Salmo 72 é o único escrito por Salomão, no livro dos Salmos. Do Salmo 73 em diante, temos uma seqüência de salmos de Asafe.
Asafe tinha nascido na tribo de Levi. Isso significava que ele estava destinado a ser um sacerdote ou, então, a ter algum outro tipo de função ministerial, religiosa, por toda a vida dele. E foi o que aconteceu, só que na área da música. Em 1Crônicas 15 e 16, vemos que o rei Davi designou Asafe para ser um pioneiro na condução do povo de Israel em um culto alegre no Monte Sião.
Deus havia feito muitas coisas boas para aquele povo. Por isso, a consciência da presença de Deus exigia que, nos cultos, os crentes se apresentassem com um cântico de louvor bonito, instrumentado, dinâmico, batendo palmas de alegria diante da glória de Deus. E Asafe era o líder desses cultos. Foi por isso que ele escreveu esses salmos lindos, como: “Certamente Deus é bom para Israel, para os puros de coração” (Salmo 73:1); “Damos-te graças, ó Deus, damos-te graças, pois perto está o teu nome; todos falam dos teus feitos maravilhosos”; “Quanto a mim, para sempre anunciarei essas coisas; cantarei louvores ao Deus de Jacó” (Salmo 75:1 e 9); “Resplendentes de luz! És mais majestoso que os montes cheios de despojos” (Salmo 76:4).
Leia o restante desses salmos, delicie-se em adoração ao Deus Santo e Poderoso e sinta-se no culto do Pastor Asafe!



Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

terça-feira, 26 de junho de 2012

Protestantes, Pentecostais e Ecumênicos




















PROTESTANTES, PENTECOSTAIS E ECUMÊNICOS
O Campo Religioso e Seus Personagens


Introdução

Até o primeiro semestre de 2007, a segunda edição do livro Protestantes, Pentecostais e Ecumênicoso campo religioso e seus personagens , estava sendo organizada por Leonildo Silveira Campos como uma homenagem a Antônio Gouveia Mendonça. Campos, professor tanto na Universidade Metodista de São Paulo (UMeSP), quanto da Faculdade de Teologia da Igreja Presbiteriana Independente do Brasil (IPI), tem duas graduações e duas pós-graduações: a) Filosofia (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mogi das Cruzes); b) Teologia (IPI); c) Mestrado em Administração (UMeSP); e d) Doutorado Ciências da Religião (UMeSP). E essa segunda edição que ele organizava seria um reconhecimento às contribuições que Mendonça dera, até ali, à pesquisa e à academia das Ciências da Religião, uma vez que ele estaria completando 85 anos em 18 de setembro.

Mas o estágio terminal de câncer de Mendonça no inverno daquele ano, deu outro rumo à obra, tornando-a no “registro de uma saudade” que faz jus ao reconhecimento que a dedicação deste homem merece receber. Analfabeto até os nove anos, leigo até os 44, pastor formado apenas em filosofia até ter mais de meio século de vida, depois de conseguir seu doutorado aos 61 anos de idade, ainda deu mais de vinte anos de contribuição para o mundo acadêmico. Passou por várias faculdades, incluindo as universidades Mackenzie e Metodista. Dos dois livros que ele deixou, um (O Celeste Porvir: A Inserção do Protestantismo no Brasil) é um clássico nos estudos do Fenômeno Religioso na Cidade. Seus inúmeros escritos e artigos deixam claro que ele teve como uma de suas principais fontes mentoras o pensamento de Karl Mannhein.

Na apresentação do livro, Leonildo Silveira Campos faz uma análise do pensamento de Mendonça à luz de Pierre Bourdieu, sumariza os capítulos da obra, e entrega-a ao leitor no saudosismo que a perda do amigo deixou-lhe. Para Campos, o polêmico e ecumênico  Mendonça, que “não era de briga”,  faz uma ótima prática do diálogo inter-religioso do contexto Brasileiro histórico. Nisto, Mendonça fugiu da epistemologia do fundamentalismo, que “centra-se na capacidade de se apreender uma verdade e de fazer dela uma regra infalível de fé e prática”, e ainda conseguiu manter um equilíbrio.

Protestantismo e Cultura

O primeiro capítulo é um ensaio de Mendonça que analisa os pensamentos dos teólogos Paul Tillich, Ernst Troeltsch e Rubem Alves e da escola de Frankfurt sobre a interação dos protestantes com o modernismo ocidental.

Tillich, comparando e diferenciando as filosofias protestante e católica, conclui que ambas contribuíram para configurar o mundo moderno, sendo que o catolicismo foi mais eficaz em dominar as massas enquanto que o protestantismo tornou-se mais antiproletário. Para Troeltsch, nas palavras de Mendonça, “o protestantismo deixou de lado o culto fideísta e cheio de fantasia em favor de um culto racional e discursivo”, acompanhando o Iluminismo e liberando o mundo para a modernidade. Rubem Alves observa que na América Latina isso foi um pouco diferente, porque “quando uma religião muda de espaço tem de reprogramar-se”. “Assim, as promessas utópicas do protestantismo revelam-se hoje como ideológicas”. E eu diria, e vice e versa.

O mais interessante é a visão de que “o individualismo foi, sem dúvida, um dos elementos do protestantismo que mais contribuíram para a necessária mudança social ao progresso e ao mundo moderno”. E a parte mais infeliz do capítulo é quando Mendonça tenta inserir nesta discussão sócio-protestante os pensamentos freudianos, terminando o artigo totalmente destoado de sua proposta inicial. A conclusão é que o protestantismo concluiu para o modernismo mas chegou ao continente do pósmodernismo morrendo na praia.

Hipóteses Sobre a Mentalidade Popular Protestante no Brasil

No começo do capítulo dois, já comecei a encontrar apoio para o que estou escrevendo em minha dissertação de mestrado. Para que um missionário tenha sucesso em seu campo de trabalho, é necessária a “remoção de preoconceito”, pois sempre “verifica-se uma ética distante” da recepção de “um outro universo cultural”. Este foi um choque vivido pelos primeiros missionários protestantes que chegaram ao Brasil.

Por aqui, por volta do século XVIII, o catolicismo se entendia muito bem com o folclore e a cultura dominantes, e vices e versas. Enquanto isso, o protestantismo fazia acomodações em suas contribuições culturais nas constantes mudanças que estavam acontecendo na civilização do primeiro mundo. E nesse contexto, os missionários do primeiro mundo vêm de lá pra cá. Entretanto, “a ética protestante no Brasil tornou-se muito rígida” e “se transformou em contracultura e causa de estranheza e até de perseguições... no nível das relações populares internas”.  Por exemplo, “a ética do decálogo, principalmente na questão da guarda do domingo, gerou muitos atritos entre patrões e empregados”.

[No] Brasil, com sua cultura ibérica amalgamada à do índio e do africano pelo convívio íntimo de três séculos... a conversão não significou o reencontro de uma consciência abandonada, mas a aceitação de uma forma inteiramente nova de pensar e ser, e, como conseqüência, de uma ética estranha e desvinculada da realidade.

Ficou então assim: “de um lado, a rigidez da mensagem missionária e, de outro, a resistência da cultura brasileira”. Logo, “o protestantismo tradicional estagnou”, porque “resistiu à ameaça do sincretismo”.

Mas “é no pentecostalismo que vamos encontrar formas bastante claras de sincretismo... antigos traços históricos da Igreja cristã, elementos do catolicismo popular e dos cultos afro-brasileiros”. Tudo isso, com ênfase na prática religiosa do “plano da vida diária, na solução religiosa dos problemas existenciais” e alimentado pelos “estratos periféricos da população, principalmente urbano-industriais”. Características estas que “aproxima o pentecostalismo do catolicismo popular”. Resumindo, “a corrente protestante moderna que melhor configura tanto os tradicionais como os pentecostais é o fundamentalismo”.

Mendonça não deixa esquecer que “já circulou no Brasil uma proposta de cristianismo positivo”, por Miguel Rizzo Júnior. Era uma “fé cristã viável para os intelectuais” e gente da “classe média”. Prática, individualista, e “livre dos liames eclesiásticos”, promovia mais “a convivência da ciência com o sobrenatural” do que “os ritos e sacramentos”.

Algumas destas características vêm de encontro com o “catolicismo popular”, onde “o sentido não importa muito”, e onde também “na ausência da autoridade religiosa que reveste os oficiantes legais, vale a técnica, porque é o leigo que pratica os ritos”. E isso coaduna com o protestantismo na “crença da eficácia simbólica das palavras... ditas e repetidas em certa ordem”, que conta “o peso de uma liderança não letrada”. E assim, católicos, pentecostais e protestantes positivos “crêem na eficácia objetiva, não intermediada, de uma forma qualquer de ritual”.

O Protestantismo Latino-Americano: Entre a Racionalidade e o Misticismo

Neste terceiro capítulo, Mendonça propõe-se a “buscar as raízes da histórica insegurança do protestantismo na cultura em contraste com o catolicismo que, por sua natureza, tem resistido melhor aos embates das transformações culturais”. De um lado, o protestantismo assumiu a liberdade, de outro, o catolicismo não solta sua “síntese medieval”. Qual é o resultado?

Para o autor, só configurar-se como protestante se contiver, nos moldes luteranos e calvinistas, “a justificação pela fé, a sola scriptura, o livre exame e o sacerdócio universal dos crentes”. O misticismo protestante no interior das igrejas “corre à margem dos sistemas de poder” e cultiva “a convicção no auto-aperfeiçoamento humano por intermédio da devoção disciplinada da leitura da e meditação nela” tomando-a como mediadora. Isto, numa busca pela paz interior e por “uma forma adequada de viver no mundo”.

No prisma da racionalidade (razão), para Mendonça, a Reforma é um humanismo que “se esforçou por reorganizar... o homem, sua fé e sua razão”. “Logo, a abdicação... da liberdade”. “A tendência do protestantismo... é confinar-se cada vez mais em sua racionalidade confessional” porque é natural que “o teólogo, entre outras coisas”, ameace “sempre deslocar os limites desse espaço e, em conseqüência”, deva “ser mantido a distância”. Por isso, “o teólogo conservador nada produz, porque... não avança na reflexão”.

O brilho e o avanço da teologia protestante devem-se quase que nos seu todo aos teólogos liberais e “modernistas”, acusados também de serem pensadores “acadêmicos” e “de gabinete”... Entretanto, as biografias desses teólogos mostram que tiveram, como ponto de partida de seu pensamento, experiência religiosa muito aguda da realidade que os cercava.

O misticismo e a racionalidade protestantes se convergem nos “sucessivos movimentos” independentes “de intenso despertamento religioso” na Europa e nos EUA do final dos séculos XVIII e XIX chamados de Revivals. No Brasil, as “séries de conferências” com seus “extensos sermões” apresentados “por pregadores especializados na retórica de convencer por intermédio da perfeita proporção entre lógica e emoção”, seguiam a mesma linha. “À emoção da conversão segue-se uma ética”. Entretanto, o protestantismo entrou numa diáspora cultural que se desembocou no fundamentalismo.

O humanismo protestante da Reforma deu início ao processo de secularização ao firmar o direito do homem relacionar-se diretamente com Deus sem qualquer mediação, mesmo da Igreja. A tese de que o progresso de conhecimento humano a partir do racionalismo produziu a secularização não é inteiramente verdadeira para o protestantismo; este já nasceu secular.

Harvey Cox e Robert Adolfs “falam do fim da presença da Igreja no mundo secular, a não ser que passem por profundas mudanças” [sic].

O espaço da vida fragmentada da pós-modernidade não podem ais se satisfazer com um Deus cósmico, metafísico e ético, mas exige flexibilidade na solução de problemas do cotidiano por meio do manejo constante dos diversos poderes do Bem e do Mal. Esses poderes intermediários da ordem e do caos precisam ser controlados.

E é aí que entram “o protestantismo clássico” valorizando “a profecia extática”, o protestantismo “posterior” enfatizando a “cura divina” e o neopentecostalismo representando, na idéia do autor, “uma ruptura final com o protestantismo”. Porque, segundo ele, “a Bíblia foi relegada a espaço secundário, e, pelo ‘livre exame’, passou a ser usada de forma mágica, e assim por diante”. Surgiram “mesmo alguns deuses estranhos” como o “deus da corda”, dos que dizem tá amarrado.

A partir daqui, o autor deixa de ser acadêmico e passa a ser passional. E o pior: ele vê isto, mas não admite. Parece que Mendonça deixa abalar-se pelo fato de que o protestantismo clássico “não resistiu à pós-modernidade”, e aí ele termina apelando, ao chamar o pentecostal de irracional e sem educação, colocando-se (por ser presbiteriano) num suposto pedestal de educação racional. Por fim, na visão deste professor, a profecia da morte de Deus, de Nietzsche, cumpriu-se no protestantismo.

Jesus e os Últimos Liberais:
Um Estudo Sobre John Mackay, Harry E. Fosdick e Miguel Rizzo Júnior

Mendonça busca uma configuração de “Jesus na religiosidade brasileira”. Neste trabalho, ele define religiosidade como “um conjunto de sentimentos referentes ao sagrado, cujos poderes podem intervier na vida e perante o qual se tem temor e desejo de adoração”.

Mackay escreveu The Other Spanish Christ, que constitui uma fascinante descrição da diferença entre o Cristo da religião instituinte (vivo e pessoal) e o da religião instituída (cristo morto), numa universalidade da religião sob o ponto de vista da fenomenologia do sagrado. Ele tem uma visão dual do mundo, na ordem do bem e na desordem do mal. Seus conceitos são o encarnacional, o da dimensão missionária e do compromisso social da igreja. Para ele, o crente sul-americano da religião dominante “pratica um politeísmo cujo panteão é presidido pela Virgem”. Ele “conclui sua crítica à religiosidade sul americana afirmando que falta a ela a experiência espiritual interna e a expressão ética externa”, ou seja, é apenas um folclore.

A tese de Fosdick “é a de que o Jesus nascido em Nazaré aparece ‘teologizado’ nos evangelhos. Logo, trabalha com um “método indireto de aproximação”, tentando mostrar “um perfil contraditório de Jesus por causa das diferentes visões de seus interlocutores”. Nisto, ele cogita “sobre um ‘cristianismo sem religião’”.

Rizzo Jr acreditava “em um cristianismo aceitável pelos ‘não-religiosos’, e dedicou-se, como conferencista e escritor, a apresentar o ‘Jesus do cristianismo positivo’”. Deixou como legado o pensamento de que seria “possível ser cristão sem Igreja e mesmo sem religião”.

 Assim, herdamos alguns cristos em nossa religiosidade brasileira: 1) o do catolicismo, que “não atinge a magnitude dos santos”; 2) “o Cristo amigo do pietismo”; 3) o “imanente dou histórico dos liberais”; 4) o “monarca vitorioso dos pré-milenaristas”; 5) o “padrão do evangelho social”; 6) o “revolucionário”; e 7) o “Cristo é o Senhor” do neopentecostalismo, onde se assemelha com o “Senhor dos milagres” do catoliscismo.

O Neopentecostalismo

O autor procura traçar “a evolução das ‘religiões do Espírito’” sob o prisma dos transes e dos êxtases, buscando explicar “o início do pentecostalismo moderno e sua repercussão no Brasil”. Para ele, o neopentecostalismo é “uma religião que, atendendo ao imaginário social brasileiro”, passa a ser “uma síntese do catolicismo popular”, do “protestantismo pentecostal” e dos “cultos afro-brasileiros”.

Na prática,

As pessoas, por questão de identidade, e não por querer qualquer tipo de racionalidade, identificam-se como católicas, umbandistas ou pentecostais (crentes), mas as necessidades prementes do cotidiano levam-nas aos centros de poder religioso mais em evidência, seja pela propaganda ou pelo testemunho de pessoas conhecidas.

Sob o ponto de vista das ciências sociais, “o neopentecostalismo é um ajuste entre religião e magia”, pois perdeu os elementos pentecostal e bíblico dos tradicionais e clássicos.

Sindicato de Mágicos: Pentecostalismo e Cura Divina
(desafio histórico para as Igrejas)

Neste artigo, sexto capítulo de Protestantes, Pentecostais e Ecumênicos, o autor meio que se contradiz. Ele começa tentando fazer uma distinção entre o que ele chama de pentecostais clássicos, os de cura divina e os autônomos, bem como dos carismáticos, mas depois ele põe todos num saco só.

Mas, diferenciando estes grupos do protestantismo histórico, pelo menos dá pra entender que, para Mendonça, “a intercessão [nas igrejas tradicionais] é passiva, enquanto a cura, como entendida no movimento pentecostal [generalizando o termo] é ativa”. Assim, ele estabelece o que chama de “a diferença entre o movimento pentecostal e as igrejas tradicionais, inclusive a católica”.

Mas, num “balanço geral”, ele chama as igrejas tradicionais protestante e a católica a abrirem o olho, porque, enquanto elas se tornam irrelevantes para a sociedade, o povo está migrando para uma religiosidade que lhes dá sentido, a saber a dos pentecostais.

O Pensamento Ecumênico:
Contradições e História

Mendonça apresenta-se confuso quanto a defender ou criticar o ecumenismo. Diante disso, ele faz uma descrição histórica (ainda que em vieses unilaterais) de várias linhas de pensamentos cristãos, protestantes e católicos, que desenrolaram-se ao longo dos séculos 16 a 20. Isto, à luz dos pensamentos medieval, iluminista, renascentista, romanticista, modernista, pós-modernista, fundamentalista, liberal, etc.

É isso mesmo que você está pensando: uma boa salada mista. Cheia de vai-e-vem na visão cronológica, aliás, não tendo visão cronológica. Mendonça tenta defender que o “sincretismo religioso não está na base do movimento religioso”. Para isto, ele passa a mostrar que as maiores motivações interdenominacionais já ocorridas entre os protestantes teriam sido os movimentos de missões. De qualquer forma, “a mensagem das missões protestantes” é tanto conversionista quanto doutrinária, e objetiva “sempre uma ‘mudança de mente’ e uma ‘mudança de vida’”.

Ou seja, não tem como falar em união de denominações apenas em cunho de trabalho aos de fora, porque, quando vierem para dentro, terão que escolher em que escola acreditar e quais usos e costumes de qual viés terão que abraçar. Nisto, fica o eterno conflito dos ecumênicos. De modo que eu ouso terminar minha análise deste artigo com uma frase que Mendonça usou, ainda que para outro fim, mas para terminar o próprio artigo: “Teriam sido vítimas de um trágico engodo?”. Claro que sim! E é por isso que a gente não cai nessa!

Choças ou Ranchos
Memórias de um Menino Protestante

Não se trata de uma autobiografia, mas de qualquer forma é o Mendonça escrevendo a história do próprio Mendonça. Não a história da vida inteira, mas da infância, desde quando ele consegue se lembrar, até seus nove ou dez anos. Não tudo o que aconteceu neste período, mas o viés que ilustra o que ele pretende mostrar.

Como um observador e analista de parte do pentecostalismo brasileiro, Mendonça procura expressar este pentecostalismo através de um quadro de arte. Ao fundo, as cenas, cores, cheiros e sons de sua vida de menino. Nas entrelinhas, vai a descrição dos valores, princípios usos e costumes dos presbiterianos das décadas de 1920 e 1930. E aqui vale bem observar: dos presbiterianos. Porque, em todos os seus escritos, Mendonça tem o problema que querer colocar o presbiterianismo como sendo o protestantismo como um todo.

Elogio mais ao Leonildo Silveira Campos, por ter colocado este capítulo neste lugar do livro. Depois que o leitor já está cansado de exercitar a mente com as filosofias de Mendonça e de fechar um olho para as limitações do mesmo autor, quando se está quase para desistir de ler, vem um tobogã suave que, numa crônica doce, leva o leitor a deliciar-se em brincar um pouco de imaginar.

Conclusão

O livro trás boas informações sobre algumas formas de pensar que explicam muitos comportamentos dos evangélicos que já vimos por aí. Mas não trata-se de uma fonte última de informação sobre o assunto, por sua desatualização. É mais uma lembrança de como foi, do que uma descrição de como é. Os textos têm em média vinte anos de existência. O texto mais recente, que tem cinco anos, são as memórias de um senhor de 84 anos, à beira da morte, tentando se lembrar de sua infância, e admitindo que nem tem certeza de tudo o que está escrevendo. Com todo o respeito, o carinho é muito grande, mas não a atualização.

De qualquer forma, sobre “o campo religioso e seus personagens”, dentro das limitações que o livro escopa, Mendonça expressa a identidade de um pensamento que construiu o que veio a ser este mundo eclético, chamado de evangélico, que, queiram ou não, engloba protestantes, pentecostais e ecumênicos. Uma vez que para entender o presente é preciso entender, antes de tudo, o passado, o livro é válido e útil. Recomendo sua leitura.

Twitter: @Valdeci_Junior

CONSELHO DE CALVINO - Salmos 68-71


Você tem medo das pessoas más? Tem medo do mal que alguém, talvez, lhe possa fazer? Você já se sentiu injustiçado? Então, saiba que você não está sozinho. É só ler o salmos programados para a leitura de hoje e você se identificará com Davi, principalmente, no Salmo 71.
Por outro lado, a realidade também pode ser vista por outro prisma. Aliás, o lado mais real é o do cuidado de Deus, apesar dos pesares. Você também já sentiu que Deus cuidou de você, não é mesmo?
É por isso que João Calvino, na sua obra As Institutas da Religião Cristã, ao falar do emprego da doutrina da providência divina, nos aconselha que, se o coração do cristão estiver totalmente convicto de que todas as coisas estão sujeitas à ordenação de Deus e da verdade de que nada acontece por acaso, o cristão sempre olhará, em primeiro lugar, para Deus e, depois, para os problemas da vida. É lógico que não podemos ignorar as causas secundárias, pois também têm o seu lugar apropriado, mas não vamos culpar a Deus por coisas com as quais Ele não tem responsabilidade.
Segundo Calvino, quanto aos homens, quer sejam bons ou maus, o cristão precisa reconhecer que os planos, desejos, tentativas e poderes deles estão todos sujeitos ao controle do Senhor. Então, se Deus quiser, pode chegar e revirar tudo para onde quiser e até frustrar os planos dos homens quantas vezes Ele quiser. É claro que existe o livre-arbítrio, mas existe, também, a intervenção e a providência divina.
Nessa mesma obra, o autor nos chama a atenção para as passagens bíblicas que são verdadeiras promessas, testificando a providência de Deus de maneira clara, que sempre cuida, vigilantemente, da segurança dos crentes. Dentre as passagens que Calvino cita para nos dar esse conforto, ele cita alguns salmos. E são uma bênção!
Nos salmos de hoje, Davi se mostra como um de nós: um ser humano normal que passa medo, mas que também pode colocar sua confiança no Senhor, tal como ele escreveu: “O nosso Deus é um Deus que salva; Ele é o Soberano, ele é o Senhor, que nos livra da morte. Bendito seja o Senhor Deus, nosso Salvador.”
Antes de olhar para as aflições, você pode, apesar delas, olhar para Deus. E aí, depois de localizar Deus, você não precisa ignorar seus problemas. Pode lembrar-se deles, mas fazendo como o salmista: entregar os problemas para Deus. “Salva-me, oh, Deus!, porque eu, Senhor, no tempo oportuno, elevo a ti a minha oração. Responde-me, por teu grande amor, ó Deus, com a tua salvação infalível.”
Deus lembrará de você sempre!

Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva
  

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O USO DA PERCUSSÃO NO LOUVOR - Por Leandro Quadros


“Aleluia! Louvai a Deus no seu santuário; louvai-o no firmamento, obra do seu poder. Louvai-o pelos seus poderosos feitos; louvai-o consoante a sua muita grandeza. Louvai-o ao som da trombeta; louvai-o com saltério e com harpa. Louvai-o com adufes e danças; louvai-o com instrumentos de cordas e com flautas. Louvai-o com címbalos sonoros; louvai-o com címbalos retumbantes. Todo ser que respira louve ao SENHOR. Aleluia!”(Sl 150 – Almeida, Revista e Atualizada).
Certa vez, estive em uma igreja no estado do Paraná onde a percussão era usada de forma sábia e equilibrada. O instrumento era elétrico e não ocupava o lugar central da programação, de modo que, ao entrar na igreja, você não tinha a impressão de estar num show de rock. Todos os instrumentos eram tocados harmonicamente, de modo que todos pudemos desfrutar de um culto racional (Rm 12:2) e alegre ao mesmo tempo (Fp 4:4).
Porém, não vi a mesma coisa em uma universidade fora do Brasil. Lá eles não se preocuparam com a imagética religiosa e o impacto que certas imagens podem causar na mente das pessoas. Especialmente daqueles que vieram para a igreja depois de terem tido uma vivência marcante num ambiente secular (Não descartemos que há subjetividade nisso, pois, as pessoas respondem de maneira diferente à imagens religiosas ou instrumentais).
Em tal lugar que visitei há cerca de um ano (início de 2011), o instrumento percussivo ocupava o lugar do púlpito (passou a ser o objeto central) e, ao entrar naquela igreja universitária, a sensação que tive (reconheço que outros não teriam a mesma reação) é que não estava em um culto, mas, numa programação totalmente secular.
Talvez esse disparate seja um dos fatores que gere tanta controvérsia no meio adventista quando o assunto é percussão. Alguns assistem a um culto onde o instrumento percussivo é usado com bom senso e se perguntam: “qual o problema com a percussão?” Outros, ao se depararem com uma programação de sábado onde os instrumentistas parecem roqueiros e nem mesmo se preocupam com o tipo de vestimenta para se apresentar diante do Senhor, respondem: “há muito problema na percussão, pois, nossas igrejas estão se pentecostalizando por causa dela!” (Veja 1 Crônicas 15:27, onde Deus orienta também os músicos a não se vestirem de qualquer jeito, ao ministrarem e dirigirem o louvor)
Creio que os dois lados têm suas razões particulares perfeitamente justificáveis. Porém, não estou aqui para tomar partido nesse assunto. Sendo que meus telespectadores e ouvintes “me cobram” uma resposta a respeito, pensei: se não sou especialista “especialmente” nesse tema, de que maneira posso dar alguma contribuição? Cheguei à conclusão de que deveria consultar a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) – e foi o que fiz. Enviei um e-mail para os estudiosos dessa abençoada Instituição e pude contar com a intermediação do irmão Denis, da Secretaria de Tradução e Publicações, para manter contato com o Dr. Vilson Scholz, consultor de Traduções da SBB.
Fiz duas perguntas a ele e fui muito bem atendido. E, por se tratar da resposta mais equilibrada que já li sobre o assunto, irei publicá-la na íntegra, em forma de entrevista, com a devida autorização.
ESCLARECIMENTOS
Antes, permita-me fazer algumas observações muito importantes, para evitarmos mal-entendidos:
1) Não sou a favor de cultos no estilo pentecostal, os barulhentos, que não agradam ao Espírito Santo (Ef 4:30, 31). Isso nada tem a ver com os irmãos pentecostais, amigos queridos a quem amocom amor cristão;
2) Não sou liberal em questão de música. No momento (11/01/2012) estou na Argentina, e o culto conservador daqui me agrada bastante (não agrada alguns e eles devem ser respeitados por isso). Todavia, não creio ser correto opinar sobre a validade ou não de um instrumento na adoração com base nos meus gostos pessoais. Gostos particulares não deveriam ditar o que é e o que não é verdade, mas sim a Palavra de Deus (a não ser que sejamos relativistas).
3) Creio que toda a igreja deve decidir sobre o assunto em Comissão, devidamente nomeada, tendo a opinião de líderes e músicos consagrados. Mas, que isso não deve ocupar o primeiro lugar na lista de discussões, pois, a missão evangelística da igreja (Ap 14:6-12) não pode (e não o será) engessada por causa dessas questões.
4) Nunca pense que, por mais sincero que seja meu esforço em contribuir, estou expressando a voz da Igreja. Nossa denominação – graças a Deus – define assuntos teológicos e administrativos com base na opinião de muitas pessoas, seguindo o conselho de Provérbios 11:14: “[...] na multidão de conselheiros, há segurança”. Há pessoas bem mais gabaritadas que eu para abordar esse tipo de tema e, por isso, recomendo que utilize esse texto apenas como uma contribuição aos seus estudos.
5) Desse modo, não seja infantil em utilizar meu texto para tentar forçar os outros a aceitarem suas ideias, pois, esse não é o propósito desse artigo (e nem da resposta do Dr. Scholz).
6) Não entro em discussões acirradas sobre o tema por que meu foco é outro (lido com as heresias que são disparadas contra nossa igreja e o farei até quando Deus o permitir). Respeito quem pensa diferente e quero ser respeitado.
7) O Dr. Vilson Scholz respondeu a minha segunda pergunta (sobre a presença ou não de instrumentos percussivos no Templo) com uma ressalva, segundo as palavras de Denis, funcionário da SBB: “[...] de que a questão extrapola suas funções e vai além da missão da SBB.”.Por isso, se alguém quiser discordar do doutor, saiba que a função dele na Sociedade Bíblica não é essa e que, portanto, ele não estará disponível para tal.
AO QUE MAIS INTERESSA
Vamos ao tema do artigo. A primeira questão que apresentei à SBB foi:
Necessito de uma explicação sobre o Salmo 150, pois, há teólogos questionando a tradução do mesmo. Eles alegam que o instrumento conhecido como “adufe” não está presente no original do texto. Porém, creio que a SBB tem razões linguísticas para traduzir assim o verso [...]
Dr. Scholz: [...] O texto hebraico traz a palavra “tôf” que, em Êxodo 15.20, foi traduzida por “tamborim”. Vejo que um grande número de traduções – a rigor, todas as que pude consultar rapidamente – trazem um termo parecido com “adufe” ou “tamborim”. Poderia ser, também, pandeiro. Às vezes essa palavra, que ocorre 17 vezes na Bíblia Hebraica, é traduzida por tambores, tamboril. O mesmo termo ocorre também em Jz 11.34, naquele episódio da filha de Jefté. Ali é traduzida por adufe. Não há nenhuma dúvida quanto ao significado desse termo. Quanto a “adufe”, o Dicionário Houaiss registra que se trata de “um tipo de pandeiro quadrado de origem árabe, usado por portugueses e brasileiros”. Portanto, algo do contexto oriental, bem ao sabor do mundo bíblico. E, além disso, algo que os portugueses e brasileiros supostamente conhecem.
Estranho que pessoas tenham dúvidas quanto a essa tradução. O que eu tenho ouvido – e recebido em forma de crítica – é a presença da palavra “danças”, em Sl 150.4, na Almeida Revista e Atualizada. Acontece que a Almeida Revista e Corrigida, por uma razão que ignoro, traz “flautas” naquele lugar. E há uma diferença entre dança e flauta! Mas o termo hebraico é, claramente, “dança”, por mais que isto incomode algumas pessoas. E as traduções tendem a seguir na linha da Revista e Atualizada.
Espero que isto o ajude na resposta àqueles que perguntam a respeito desse texto bíblico.
Grande abraço fraterno!
A segunda pergunta feita ao educado Dr. Scholz, foi esta:
[...] É verdadeira a afirmação de que, entre os instrumentos tocados no templo (inclusive no segundo), os adufes não mais estavam presentes?
Dr. ScholzEsta é uma argumentação baseada na diferença entre o que afirmam dois textos: 2Crônicas 29.25-26 (acrescido de Ed 3.1) e Salmo 150, colocados numa suposta ordem cronológica. Há dois problemas envolvidos nessa discussão: a questão da cronologia e os argumentos tirados do silêncio.
Comecemos com a questão da cronologia. Somos nós que colocamos os textos numa sequência cronológica (na medida em que eles se apresentam sem data, no cânone) e somos nós que interpretamos o silêncio dos textos neste ou naquele particular. Se a colocação de Sl 150 após 2Crônicas é vista como fruto de pré-concepção, não menos preconcebida (e difícil de sustentar, em termos históricos) é a ideia de que Sl 150 é anterior a 2Crônicas. (Será difícil encontrar um biblista que pensa que o Salmo 150 é de “algum período pré-Santuário”. O fato de encerrar o Livro de Salmos sugere que foi escrito mais adiante, na história de Israel. Mas, de novo, não há como comprovar isso.) A colocação de Sl 150 antes de 2Crônicas se deve, não a argumentos históricos, mas ao desejo de provar que, a partir de certo momento, os tambores foram excluídos do culto, mesmo que o texto não afirme isso.
A questão do argumento do silêncio dos textos também é problemática. O fato de 2Crônicas não mencionar “adufes” não significa que não os houvesse naquele momento (tampouco que não vieram a existir ou a serem usados depois; é possível que, no período posterior a Ezequias, os adufes foram incluídos entre os instrumentos usados no culto).  Mas o mais importante é que um texto não “desmente” o outro abertamente. Se 2Crônicas dissesse, com todas as letras, “revogando o que havia anteriormente, conforme o Sl 150”, o problema estaria resolvido. Acontece, porém, que o texto não diz isso. Tampouco o Sl 150 diz: “aumentando a lista de 2Crônicas”. Assim, do mesmo modo como é possível argumentar a favor da sequência: “presença de adufes” (Sl 150) seguida de “ausência de adufes” (2Crônicas), é igualmente possível argumentar pela sequência “ausência de adufes” (2Crônicas) – “presença de adufes” (Sl 150). Os textos, em si, não estabelecem um diálogo; quem os coloca lado a lado é o intérprete. E, em termos históricos, a sequência 2Crônicas – Sl 150 é mais crível do que a sequência contrária.
A rigor, temos textos bíblicos que mencionam os adufes e textos que não os mencionam. E não temos nenhuma indicação no sentido de que, a partir de certo momento, adufes não podiam mais ser usados. Na medida em que esses instrumentos são citados, são lícitos (ou eram lícitos em determinado momento). E enquanto não se disser, no texto bíblico, que não são lícitos, não podemos concluir que não sejam.
É claro que existem duas maneiras de argumentar (e aqui já passo à aplicação disso aos nossos dias): Primeiro, que só se pode usar o que é citado (ou ordenado) na Bíblia. Neste caso, nenhum instrumento elétrico ou eletrônico poderia ser usado! Segundo, que tudo que não é proibido na Bíblia, é lícito para uso. (Eu me identifico com este ponto de vista.) Como a Bíblia não proíbe os adufes ou tambores, que sejam usados por quem entender que é bom e possível usá-los. (É claro, há quem argumente que o Novo Testamento não ordena o uso deste ou daquele instrumento, no culto, o que poderia sugerir que não se deve usar instrumento algum. Por outro lado, o Novo Testamento não proíbe o uso de nenhum instrumento. No Apocalipse, aparecem harpas e trombetas.)
 Diante do silêncio do texto, vale o princípio de que “Tudo é lícito, mas nem tudo convém”. E o que não convém é aquilo que destrói, em vez de edificar; que ofende, em vez de animar. Como saber? Isto depende de onde se está e quem está envolvido na situação. Em outras palavras, não existe como definir de antemão aquilo que “não convém”. Se as pessoas se sentirem mortalmente ofendidas com a presença de um pandeiro, a ponto de deixarem a igreja, é preferível que saia o pandeiro, pelo menos até que essa situação seja esclarecida e as pessoas possam entender por que o pandeiro faz parte da banda. Se as pessoas não estão “nem ligando” e falta animação na banda, por que não incluir um pandeiro ou dois? Mais do que ter argumentos, nestes casos é preciso ser sábio.
Dr. Vilson – SBB
PALAVRAS FINAIS
Gostei muito da resposta bem embasada do Dr. Scholz e poderia destacar vários aspectos dela. Porém, me atenho ao bom senso que ele apresentou, ao levar em conta (1) o princípio bíblico de que não devemos “escandalizar” nossos irmãos (1Co 8:1-13; 10:32, 33; 11:1), bem como (2) o contexto sócio-religioso em que cada cristão se encontra.
Se tanto tradicionalistas quanto liberais (inclusive eu, que tento ficar entre o meio termo) seguirem tal princípio, e não esquecerem que o amor é uma das características distintivas dos seguidores de Jesus (Jo 13:35), haverá nos debates menos disputa (para se ter razão) e mais preocupação com aquilo que o outro sente durante o debate.
Creio que Deus quer isso.
Leandro Quadros

CULTO - Salmos 62-67


Que igreja você freqüênta? Não estou questionando qual é a sua religião, estou perguntando sobre sua freqüência à igreja. Afinal, quase todas as pessoas acreditam em Deus e, por isso, dizem que têm uma religião. Mas, muitas vezes, só acreditamos em Deus, mas nunca nos encontramos com Ele. E é por isso que, às vezes, somos tão carentes, sem amor ou desorientados.
O melhor jeito que você pode ter para se encontrar com Deus é através de um culto. Quando participamos ou fazemos um culto, estamos realmente colocando na prática nossa religião no sentido pleno dessa palavra que, vindo do termo em latim, “religare”, significa a religação do nosso relacionamento com Deus. E o que Deus deixou como ferramenta para que nos conectemos com Ele é a adoracão. E ela acontece através de culto.
Na leitura de hoje, nos Salmos 62 a 67, tem uma sugestão de culto para você. Você poderá usá-los na seqüência em que eles estão para fazer seu culto. Pode ser o seu culto pessoal, sozinho, em casa. Pode ser seu culto familiar e, talvez, você possa sugerir, também, na preparação de um culto público, na sua comunidade ou igreja. Portanto, se você não sabe como dirigir um culto a Deus, pode usar esses salmos da seguinte forma:
Começando pelo Salmo 62, podemos abrir a programação de forma bem alegre, anunciando, através da leitura dele, a salvação e a esperança firmadas na nossa rocha que é Cristo. Então, esse salmo pode servir como introdução.
O Salmo 63 é uma oração. Depois de ter lido o Salmo 62, pode fazer das palavras do Salmo 63 a oração do culto. Inclusive, ela pode ser cantada. Então, a sugestão para a primeira música para o seu culto é “Só em Ti”, do CD do Ministério de Louvor Está Escrito, da gravadora Novo Tempo (www.novotempo.org.br/lojavirtual/).
Depois da oração, passando para o Salmo 64, temos uma profissão de fé, onde é possível declarar a crença de que não precisamos fazer justiça com as próprias mãos, porque Deus é o nosso Juiz.
Depois de reafirmada a fé, no Salmo 65, vamos para a parte do culto que é ações de graça: o reconhecimento e agradecimento pelos cuidados de Deus por nós.
Num culto, não pode faltar testemunho. E o salmo 66 convida: “Venha e veja o que Deus fez em mim. Ele pode fazê-lo em você também.”
Para terminar o culto, você pode usar o bonito cântico de louvor a Deus que é o Salmo 67. Adore a Deus! Ele é digno do nosso louvor, de toda a honra e glória!
Use os talentos que você possui para adorá-Lo!

Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva