terça-feira, 31 de julho de 2012

DEUS SEMPRE ME AMA! - Isaías 30-33


A cooperação é o princípio de toda operação. Mas parece que tem gente que não entende isso. Se você analisar o livro de Isaías, perceberá o quanto o povo hebreu estava indigno por ter pisado na bola tantas vezes. Eles estavam caminhando para o precipício, e mesmo assim, Deus querendo resgatá-los. Não querendo ser resgatados, continuavam no erro.
Sei que no livro de Isaías há muitos oráculos contra o povo, tantos avisos de que a desgraça estava chegando que, às vezes, uma leitura superficial ou parcial pode até dar a impressão de que Deus era um tirano e que jogava duro sem misericórdia. Mas quero lembrá-lo que nas profecias do Antigo Testamento por detrás de todo pronunciamento de Deus, havia uma chance de misericórdia. Se o povo ou indivíduo que estava recebendo a condenação se arrependesse e clamasse por misericórdia, a sentença lhe era tirada. Deus sempre quer dar uma chance. Ele só não dá essa chance quando não tem jeito mesmo, ou seja, quando é rejeitado. Se Deus puder resgatar, Ele resgata.
Veja o exemplo em Isaías 30:18: “Contudo, o Senhor espera o momento de ser bondoso com vocês; ele ainda se levantará para mostrar-lhes compaixão. Pois o Senhor é Deus de justiça. Como são felizes todos os que nele esperam!”
Como Deus é misericordioso! Encontramos leis secas e rígidas, como “olho por olho, dente por dente”, mas pesquise na história do Antigo Testamento e faça um relatório de quantas vezes aquelas leis foram executadas. Quantas vezes alguém foi apedrejado? Uma vez ou outra em uma comunidade de milhões de pessoas por um período de dez séculos ou mais. Isso é quase nada! Quando você encontra essas raríssimas execuções, ainda pode ver que no caso ocorrido o condenado não clamou por misericórdia e não demonstrou arrependimento.
Mostre-me um caso sequer, na Bíblia, em que o condenado esteja clamando por misericórdia, se arrependido, e mesmo assim, sendo executado. Não existe! Vemos o contrário: Deus dando misericórdia. Nínive já estava com o dia marcado para ser destruída, e Deus mudou os planos. Davi adulterou. Ele mesmo pronunciou sua sentença, dizendo que merecia morrer, mas depois de clamar por auxílio, Deus nem o tirou do cargo. A igreja, às vezes, parece ser mais severa que Deus.
Os juízos executivos de condenação de Deus só existem para aquelas pessoas de coração duro, que não se arrependem. Porém, para todo aquele que clama por perdão e verdadeiramente sente tristeza pelo pecado, ainda que Deus esteja pronunciando um possível castigo, valem as palavras de Isaías 30:18.
Deus ama sempre! Ofereça perdão e graça para as pessoas que convivem com você!



Um abraço,
@Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

segunda-feira, 30 de julho de 2012

CORAÇÃO “BLÁ-BLÁ-BLÁ” - Isaías 27-29


Mesmo Deus sonhando em dar um livramento completo para o povo de Israel, como está no capítulo 27 Isaías, aquele povo hebreu ainda fazia por onde merecer castigo. Ai de Efraim! Estava merecendo castigo. Ai da cidade de Davi! Estava merecendo castigo. Por quê?
Quando Jesus viveu aqui na Terra, um dia, Ele bateu de frente com alguns mestres da lei devido ao extremismo deles com “o pé da letra”. Já ouviu falar disso? É uma tendência do crente que fica fanático de tanto defender a tradição, as regras e o que está escrito ao ponto de, se for preciso, sacrificar as pessoas, a felicidade e até Deus. Isso chama-se legalismo. Jesus citou para eles: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; seus ensinamentos não passam de regras ensinadas por homens.”
Você sabe de onde Jesus tirou essas palavras? Do trecho da Bíblia que é a leitura de hoje: “O Senhor diz: Esse povo se aproxima de mim com a boca e me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. A adoração que me prestam é feita só de regras ensinadas por homens” (Isaías 29:13).
Quando isso acontece em uma comunidade de crentes é um problema, pois a igreja deixa de ser saudável, fica doentia, pára de progredir e até atrofia. Christian A. Schwarz, no livro O Desenvolvimento Natural da Igreja, escreveu: “O aspecto que diferencia as igrejas que crescem das igrejas que não crescem... é se os crentes de uma determinada igreja vivem a sua fé com dedicação, paixão, fogo e entusiasmo... O conceito da paixão espiritual está em contraposição às concepções tão difundidas da fé como ‘cumprir as obrigações’. Em geral podemos observar que nas igrejas em que as ‘tendências legalistas’ estão presentes em maior ou menor grau, (em que ser cristão significa concordar com uma doutrina, moral ou pertencer a uma igreja) a paixão espiritual está abaixo da média. Ter a doutrina correta por si só não garante o crescimento da igreja. Por mais ortodoxa que seja a doutrina de uma igreja, e por melhor que seja o seu conhecimento bíblico, ela dificilmente pode esperar crescimento, se não aprender a viver e a transmitir a outros a sua fé com entusiasmo contagiante.”
Era isso que estava acontecendo com o povo de Efraim, com a cidade de Davi - o povo de Deus do tempo de Isaías. Toda a religião deles não passava de um “blá-blá-blá” porque eram formais, mas não viviam o temor a Deus no coração.
Não seja um crente de “blá-blá-blá”, mas sim, de coração.


Um abraço,
@Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

domingo, 29 de julho de 2012

EM PAZ - Isaías 24-26


Olá, você que é um estudioso da Bíblia. Imagino que você deve estar estudando com muito carinho o livro de Isaías, porque, como eu disse há cinco dias, o livro de Isaías é o que melhor representa a Bíblia como um todo. Então, quem gosta de ler o Livro Sagrado, com certeza, irá gostar de ler o livro de Isaías, já que podemos dizer que é um tipo de “resumão” da Bíblia.
Bem, depois lermos sobre tanta devastação que estava prometida para que viesse sobre as nações antigas, hoje, começamos a erguer a cabeça no horizonte. No capítulo 25 e 26, o assunto não é mais desgraça, e sim, louvor?
Como assim? Como o profeta Isaías poderia louvar, mesmo em meio a tantos problemas que estavam vindo para aquele mundo antigo?
Você conhece a música de Valdecir Lima e Lineu Soares intitulada “Pode Cair o Mundo, Estou em Paz”? Quem a canta é o grupo Novo Tom. Aliás, esse é o título do CD deles, gravado pela gravadora Novo Tempo. “Pode cair o mundo, estou em paz” era o que estava acontecendo com o profeta. Mas isso não era negligência. A letra dessa música explica muito bem a realidade dele.
A música comenta que o mundo corre em busca de sucesso, mas que, na realidade, a vida se desfaz em meio a tanta guerra; que o homem sonha com as glórias do progresso, mas, no fim das contas, termina andando velozmente para trás. E a música enfatiza que só mesmo Deus é quem concede a glória verdadeira, e que é somente nEle que a vida tem real valor. Porque é Ele quem promete um mundo novo sem medo, sem tristeza e sem rancor.
Isso é o que Deus estava fazendo no contexto de quando Isaías escreveu. Estava fazendo “uma limpa” no mundo que já tinha ficado louco, buscando falsas glórias em si mesmo.
“A glória desta Terra é passageira”, é o que a música repete. A vida passa e tudo que ela traz vai embora juntamente com ela. Mas sabe qual era a posição de Isaías? “Não temo o futuro, pois tenho Deus comigo, então, pode cair o mundo, estou em paz.”
Esse é o segredo da paz. O sucesso verdadeiro é: “Entregue o seu caminho ao Senhor; confie nEle, e ele agirá” (Salmo 37:5). Sucesso é estar neste mundo cruel, mas, ao mesmo tempo, confiar em Deus. Podemos descansar porque Deus está no controle de todas as coisas.
Esse foi o segredo que fez com que Isaías conseguisse cantar. A leitura da Bíblia aumenta a fé em Deus. Leia, confie, e depois louve ao Senhor.

Um abraço,
@Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

sábado, 28 de julho de 2012

PONTO DE APOIO - Isaías 20-23


Certa vez, Arquimedes, um grande matemático, físico e cientista grego da antiguidade declarou o seguinte: “Dêem-me um ponto de apoio, e moverei a terra.” Pense um pouco nessas palavras: “Dê-me um ponto de apoio que poderei mover o planeta. Que ponto de apoio é esse? Para Arquimedes, o ponto de apoio era só uma vontade porque ele sabia que isso não tinha como existir.
Mas, para nós, cristãos, esse ponto de apoio a partir do qual podemos mover o mundo, existe. O ponto de apoio da disciplina espiritual é buscar o reino de Deus e a justiça dEle em primeiro lugar na nossa vida. A partir daí, tudo o que é necessário virá momento certo.
Que tipo de esforço podemos fazer para buscar o reino de Deus? Você acha que alguém deveria arrumar um emprego adequado para poder exercer uma influência virtuosa? Saiba que a resposta é “não”. Devemos buscar primeiro o reino de Deus. Bem, então, deveríamos distribuir todo o dinheiro que temos para dar de comer aos pobres? A resposta novamente é “não”. Devemos buscar, em primeiro lugar, o reino de Deus.
Tudo bem, talvez alguém ainda possa argumentar: “E quanto a sair por aí, pregando essa verdade para o mundo? Mais uma vez, a resposta é um grande “não”. Devemos buscar primeiro o reino de Deus. Em certo sentido, não devo fazer nada, porque tornar-se “nada” diante de Deus, ficar quieto diante dEle e deixar Ele falar ao nosso coração é o primeiro passo na busca pelo reino de Deus.
Ouvir a voz de Deus é o ponto de apoio inicial para poder começar a mudar o mundo. Quem não busca, em primeiro lugar, o reino de Deus, na realidade, não O busca. Pense bem: não importa o quanto as outras coisas sejam dignas, no momento em que essas outras coisas boas se tornam o foco dos nossos esforços, tudo vira idolatria. Ai, caímos no mesmo pecado que todas essas nações antigas descritas em Isaías: viraram idólatras, se enfraqueceram e não puderam fazer nada pelo mundo. Então, o segredo está no princípio registrado no livro O Maior Discurso de Cristo: “É proporcionalmente à nossa própria devoção e consagração a Cristo, que exerceremos uma influência para benefício e erguimento da humanidade.”
Ah, se Arquimedes soubesse disso. Pena que ele não conheceu nem a Cristo nem a Palavra de Deus. Caso contrário, ele não teria clamado por um ponto de apoio, mas sim, teria feito o que você fará hoje: sua leitura diária da Bíblia, o verdadeiro ponto de apoio para poder mudar seu mundo de influência.
Busque-o e influencie as pessoas que você ama!


Um abraço,

@Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

sexta-feira, 27 de julho de 2012

ORGULHO IMAGINATIVO - Isaías 15-19

Hoje veremos a profecia contra Moabe nos capítulos 15 e 16; leremos a mensagem contra Damasco no capítulo 17; no capítulo 18, a profecia contra a Etiópia; e então, concluindo, no capítulo 19, a profecia contra o Egito.


É muita profecia contra muita gente, não é mesmo? Por que acontecia isso? Por que tantas pessoas precisavam de tanta repreensão? Por que Deus agia assim?

Vou lhe contar um ocorrido que aconteceu em uma igreja para ilustrar.

Certa vez, um pastor fez um grande sermão sobre o orgulho e foi muito tocante. Depois que o ministro pregou o sermão, uma mulher, que estava ali na igreja e tinha ouvido ao pastor, ficou esperando que ele despedisse todos os fiéis que tinham assistido ao culto. Ela foi em sua direção e disse que estava muito angustiada. E ele perguntou:

- Mas o que angustia você, minha irmã?

- Na realidade, pastor, eu gostaria de confessar um grande pecado – disse ela.

O pastor perguntou qual era o pecado daquela pobre sofredora. Ela respondeu:

- O meu pecado, pastor, é o pecado do orgulho.

- Como assim, irmã?

- Pastor, o problema é que eu passo dias, sentada, por muito tempo; às vezes, gasto até horas na frente de algum espelho admirando minha beleza.

- Ah, minha irmã, mas então você não tem o pecado do orgulho - o pastor explicou.

Admirada, questionou:

- Não pastor? Sério?

- Sério, irmã. Esse não foi um pecado de orgulho – foi um pecado da imaginação!

Que coisa, hein! A realidade é que o orgulho não é nada mais que uma fantasia, um “achismo” de alguma coisa que não é real. A pessoa se imagina como “o bom”, mas, na realidade, não é bom coisa nenhuma. Primeiro, porque ele seria muito melhor se fosse humilde e, segundo, porque bom só há um que é Jesus.

Ao falar do quanto o orgulho e a imaginação têm a ver uma coisa com a outra, precisamos analisar o fato de que desde que o pecado nasceu no coração de um anjo poderoso, que se transformou no grande anjo mal, o orgulho não respeita os limites da realidade nem nos anjos nem nas pessoas. De todo tipo de orgulho, o pior é o orgulho espiritual, uma característica muito triste em seres tão corrompidos, onde sua salvação só pode ser encontrada nos esforços de outros em seu favor.

Era isso que acontecia com as nações mencionadas em Isaías. Elas criavam uma imaginação utópica de deuses que não existiam e caiam na idolatria, achando isso o máximo. Um orgulho imaginativo sem lógica. Por isso, leia a Bíblia para conhecer a realidade.

 
Pr. Valdeci Júnior


Twitter: @Valdeci_Junior

e

Fátima Silva

quinta-feira, 26 de julho de 2012

COMO COMEÇOU - Isaías 11-14

No comentário da nossa leitura bíblica diária, quero enfatizar um assunto importante que está no capítulo catorze. O capítulo onze tem promessas bonitas para os verdadeiros israelitas de Jeová, o doze é um lindo poema de ação de graças e o treze começa uma profecia contra Babilônia. Essa profecia que adentra o capítulo catorze tem uma dupla aplicação. Na Bíblia, encontramos muito disso. É interessante que Deus não perde tempo. Se Ele tinha que falar sobre alguma coisa de uma dimensão mais longe, mas que estava relacionado com o contexto mais imediato, mandava profecias que serviam para as duas coisas. Portanto, vejamos o que diz Isaías 14:12-15.


A princípio, a primeira e imediata aplicação dessa passagem estava sendo dirigida ao rei de Babilônia. Porém, um significado mais profundo e de maior dimensão está relacionado com outro ser em um outro contexto, fazendo com que o rei de Babilônia passe apenas a representar outro ser. Assim como também, Babilônia, além de ter sido uma cidade real do mundo antigo, no Apocalipse passou a ser um simbolismo da apostasia. Então, entendendo as profecias, identifique quem é o autor da apostasia nessas palavras bíblicas:

“Como você caiu dos céus, ó estrela da manhã, filho da alvorada! Como foi atirado à terra, você, que derrubava as nações! Sua soberba foi lançada na sepultura, junto com o som das suas liras; sua cama é de larvas, sua coberta, de vermes. Como você caiu dos céus, ó estrela da manhã, filho da alvorada! Como foi atirado à terra, você, que derrubava as nações! Você, que dizia no seu coração: ‘Subirei aos céus; erguerei o meu trono acima das estrelas de Deus; eu me assentarei no monte da assembléia, no ponto mais elevado do monte santo. Subirei mais alto que as mais altas nuvens; serei como o Altíssimo.’ Mas às profundezas do Sheol você será levado, irá ao fundo do abismo!”

Esses versos falam sobre o surgimento do mal no Universo. Deus tinha criado todos os poderosos anjos, perfeitos. Um deles, porém, a quem chamamos de Lúcifer, se rebelou e não quis mais ser um seguidor de Deus. Daí veio a existir uma coisa no Universo chamada pecado. Isso é um mistério: um anjo lindo e maravilhoso “deu na louca” de se rebelar e querer ser o que é hoje: Satanás.

Isso é uma grande advertência para nós: não compensa querer ser independente e não saber dos caminhos de Deus. Se afastar de Deus é um caminho perigoso, que pode ser sem volta e ainda levar-nos a nos tornar a coisa mais horrível que nem imaginamos.

Compensa fazer o que é certo: seguir ao Senhor.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

DEFESAS BÍBLICAS - Isaías 08-10

Para a leitura de hoje, temos três capítulos interessantes para ler. Deles, destacarei alguns pontos importantes para que você perceba como é que, em toda a Bíblia, estão estampadas as verdades eternas de Deus. Então, neste comentário, destacarei uma defesa, uma apologia, uma doutrina, um ensinamento bíblico, certo?


Começando com o capítulo oito, quero mencionar o verso vinte, que diz: “‘À lei e aos mandamentos!’ Se eles não falarem conforme esta palavra, vocês jamais verão a luz!” Quando alguém for sugerido para ser um consultor para você sobre verdades importantes, analise se essa pessoa guarda a lei de Deus, ou seja, a lei dos Dez Mandamentos descrita em Êxodo 20. Questione: “Os ensinamentos dessa pessoa estão de acordo com os Dez Mandamentos?” Se sim, tudo bem. Se não, descarte, porque, no fundo, o que esse verso está dizendo é que o parâmetro eterno para determinar a moral do ser humano é a lei de Deus.

O destaque do capítulo nove está relacionado com a eternidade. Existe uma heresia propagada no meio do cristianismo que quer se passar por cristã. Esse ensinamento diz que houve um tempo em que a segunda pessoa da Divindade, nosso Salvador Jesus Cristo, não existiu. Tal ensino antigo é chamado de “Arianismo” e vem dos primeiros séculos da era cristã. Mas tenha cuidado, porque hoje em dia ainda existe uma seita que anda batendo nas casas para ensinar essa interpretação errada da Bíblia. Se você quiser refutar esse ensinamento errado, é só usar Isaías 9:6, que é uma profecia sobre Jesus. Com isso todos os cristãos concordam, afinal Jesus é o Pai da eternidade. Perceba que Jesus é absolutamente eterno! Como posso dizer que houve um tempo que a eternidade existiu sem Jesus, se Ele é o próprio Pai da eternidade?

O capítulo dez fecha com o primeiro versículo dele. Sobre as pessoas que ficam torcendo a Bíblia para ensinar coisas erradas, veja o que a Bíblia diz deles: “Ai daqueles que fazem leis injustas.” Ai daqueles que ficam por aí querendo diminuir a autoridade da lei e da pessoa do eterno Deus, que é Jesus Cristo. É interessante que a verdade está tão identificada com Deus que Jesus simplesmente afirmou: “Eu sou... a verdade” (João 14:6), identificando-se como o único caminho para a compreensão da verdade genuína (1João 5:20).

Deus lhe dá a oportunidade de encontrar a verdade. Estude a Bíblia todos os dias e fique mais ligado a Jesus. Através do conhecimento bíblico, não permita que ninguém engane você. Ao contrário, seja um grande defensor dos ensinos corretos da Bíblia.

“E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” (João 8:32).


Um abraço,



Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



terça-feira, 24 de julho de 2012

O LIVRO DE ISAÍAS - Isaías 05-07

Você já parou para pensar como o livro de Isaías se parece muito com a Bíblia? Quer ver só?



Perceba como o livro de Isaías tem tudo a ver com uma visão geral sobre a Bíblia. Eu poderia ficar aqui fazendo mais um tanto de comparações entre esse livro e a Bíblia. Por exemplo: quando começa a segunda seção, o assunto é sobre o Messias tanto na Bíblia quanto no livro de Isaías. E quando está terminando, os últimos tratados, tanto a Bíblia quanto Isaías, falam da Nova Terra, do paraíso que Deus está preparando para nós.

A primeira seção do livro de Isaías refere-se, principalmente, aos eventos que conduziram ao cativeiro. Podemos dividir esse bloco (primeiros 39 capítulos) em seis partes:

1. Exortações e advertências do juízo divino mescladas, misturadas com as predições de que eles poderiam ter dias melhores e com as predições da vinda do Messias (capítulos 1-12).

2. Do capítulo 13 até o 23, há várias profecias que estão relacionadas com as nações que eram vizinhas do povo israelita: a Assíria, a Babilônia, a terra de Moabe, o Egito, Filístia, Síria, Edom, Tiro e outras.

3. Nessa parte, estão os escritos sobre os pecados e o sofrimento daquela gente, as promessas de salvação. Há, também, um poema que era uma música de fé em Deus, muito bonita, concluindo com a reflexão sobre o quanto Deus tem um cuidado especial pela vinha dEle.

4. Essa seção (capítulo 28) está cheia de maldições contra Efraim e Jerusalém, especialmente por confiarem nas alianças com estrangeiros, que vai até o capítulo 31.

5. Do capítulo 32 em diante, você tem a promessa da vinda de um rei justo, a promessa do derramamento do Espírito e a exaltação do justo, acompanhada da transformação do deserto em jardim do Senhor.

6. Finalmente, fala sobre a libertação do rei Ezequias e da prorrogação do tempo de vida dele.

Do capítulo 40 em diante, temos a segunda parte do livro de Isaías. Essa segunda seção contém predições, advertências e promessas de coisas que aconteceriam ou aconteceram depois do período de exílio que o povo hebreu sofreu. É um período que se estende por vários séculos e entra na era cristã. É por isso que essa parte da profecia é especialmente rica em referências messiânicas.

Embora Isaías tivesse que anunciar juízos sobre o povo de Judá, ele também teve uma mensagem de consolo e de esperança futura.



Um abraço,
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

segunda-feira, 23 de julho de 2012

QUEM FOI ISAÍAS? - Isaías 01-04

Hoje, estamos iniciando mais um livro da Bíblia: Isaías. Como é importante que saibamos sobre quem ele foi, vou direto ao ponto.


O pai de Isaías era chamado de Amós que, aparentemente, era um homem de posição humilde. A mulher de Isaías era chamada de “a profetiza”. Ele teve dois filhos que tinham nomes simbólicos.

O profeta Isaías exerceu suas funções durante os reinados de Uzias, do rei Jotão, Acaz e Ezequias. Ele deve ter começado a carreira poucos anos antes da morte de Uzias, provavelmente em 762 a.C. Temos a informação mais precisa de que Isaías tenha vivido, pelo menos, até o décimo quarto ano do reinado de Ezequias, mas é provável que tenha vivido até nos dias de Manassés. Portanto, ele deve ter profetizado durante um longo período de aproximadamente 64 anos.

O ministério de Isaías foi firme, intrépido e intransigente, bem espiritual e com muito senso do sagrado. Ele deve ter vivido durante a invasão assíria de Pul e a invasão de Tiglath Pileser III contra Israel.

Isaías exerceu a atividade profética dele na Judéia. Quando Senaqueribe, da Assíria, conduziu o exército dele contra a Palestina, uma parte do seu exército ameaçou Jerusalém. Nessa ocasião, Isaías foi até lá e encorajou o rei Ezequias a resistir aos assírios. Quando eles fizeram isso, Senaqueribe enviou uma carta ameaçadora para Ezequias, o rei de Judá. Então, Ezequias levou a carta e apresentou-a perante o Senhor. Assim, o julgamento de Deus caiu sobre os assírios.

E assim como aconteceu com Xerxes, na Grécia, aconteceu com Senaqueribe também. Ele nunca mais se recuperou do choque que levou no desastre em Judá. Ficou igual “gato escaldado”. Nunca mais fez expedições nem contra o sul da Palestina nem contra o Egito. Ezequias reinou em paz pelo resto dos seus dias graças a Deus e ao ministério do profeta Isaías.

Apesar de que o momento e o modo de como Isaías morreu não estejam relatados na Bíblia, as informações que temos é de que o rei Manassés mandou colocar o profeta dentro do tronco de uma árvore e mandou serrá-la. A tradição diz que Isaías foi martirizado no tempo de Manassés.

As recompensas do trabalho que fazemos para Deus, muitas vezes, só veremos lá no Céu. Já pensou quando Isaías ressuscitar e ficar sabendo do quanto o livro e a história dele foram amados, lidos e usados para levar tanta gente para o Céu?

Nós, os servos de Deus, escrevemos nossa história com muitas alegrias, mas com muito sofrimento também. O sofrimento passageiro deste mundo, que também pode ser um sacrifício para fazer outros felizes, será recompensado no Céu.

 
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

domingo, 22 de julho de 2012

MÚSICA ROMÂNTICA - Cantares 05-08

CÂNTICOS ROMÂNTICOS


Quero continuar o que comentei ontem sobre o livro de Cantares: o relacionamento entre homem e mulher. No comentário anterior, falei sobre a santidade do sexo, dentro dos limites do casamento, mostrada, de forma figurada, no livro de Cantares. Hoje, quero comentar um pouco, não sobre o sexo, mas sobre uma outra parte do relacionamento a dois que, em algum momento, acaba tendo alguma coisa a ver com o sexo também.

Outro dia, alguém fez a seguinte pergunta: “Por que o livro de Cantares fala de tanto romantismo e, inclusive, chega a citar beijos?”

É curioso que não são só os beijos que Salomão cita. Ele vai bem mais fundo que isso, quando avança em comentar os contatos físicos entre um homem e mulher. Há leitores despercebidos que não os percebem porque a redação do livro é bem eufêmica, mas se você prestar atenção, encontrará muita intimidade física descrita no livro.

Sobre romantismo, o Comentário Bíblico SDABC explica: “O Cântico dos Cânticos é uma bela canção amorosa oriental, escrita em forma de diálogo lírico com certa distribuição ou movimento dramático.” O comentário teológico segue descrevendo como deve ser o relacionamento entre marido e mulher baseado em Cantares.

Deus permitiu que esses cânticos fossem colocados aqui entre os livros bíblicos para poder estimular aos casais a ser românticos um com o outro. Afinal, o plano de Deus para o casamento é que ele seja envolvido por uma esfera de muito respeito e amor, falando a linguagem do amor.

O livro de Cantares está na Bíblia para mostrar que essa atmosfera pura e romântica ao mesmo tempo, é possível de ser criada quando o marido e a mulher decidem investir no relacionamento. E para dar esse exemplo, o amor romântico entre o casal é destacado por Salomão.

Veja o que ele escreveu para sua esposa: “Coloque-me como um selo sobre o seu coração; como um selo sobre o seu braço; pois o amor é tão forte quanto a morte, e a paixão é tão inflexível quanto a sepultura. Suas brasas são fogo ardente, são labaredas do Senhor.” Não é romântico e cristão ao mesmo tempo? Só mesmo a Bíblia para conseguir isso.

É interessante notarmos que o amor entre marido e mulher é usado nas Escrituras para ilustrar o amor entre Cristo, ilustrado como o noivo, e a igreja, ilustrada como a noiva (veja, por exemplo, Isaías 54:4 e 5, Jeremias 3:14 e 2Coríntios 11:2).

É por isso que Paulo dá o conselho: maridos, amem as esposas como Cristo ama sua igreja. O maior exemplo de como ser romântico e cristão ao mesmo tempo está na Bíblia.

Leia Cantares!

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



sábado, 21 de julho de 2012

LEITO - Cantares 01-04

"O sexo é como um rio, se mantido dentro dos limites do seu leito, é uma bênção". Já parou para pensar nisso? Isso é o que você aprende por detrás das linhas do livro de Cantares.


Esse livro é uma descrição poetizada do encontro de dois jovens que se apaixonam, enamoram, ficam noivos, se casam, vão para a lua de mel, experimentam todos os prazeres a que um casal casado tem o direito de experimentar, voltam para a rotina normal, passam pela fase difícil de adaptação e passam a viver juntos, com um casamento estabilizado. Essa é a história do casamento genuíno de Salomão. Sobre ela, Cantares fala, inclusive, das intimidades do casal e as apresenta como algo bonito e abençoado.

Os autores Tim e Beverly LaHaye, quando escrevem sobre a santidade do sexo, afirmam: “Correndo o risco de chocar algumas pessoas, desejamos afirmar que a Bíblia não mede palavras ao falar deste tema. O livro de Cantares de Salomão é notavelmente franco neste aspecto. Considerem-se, por exemplo, os trechos do capítulo 2:3-17 e 4:1-7.”

No livro de Provérbios, vimos Deus condenando o relacionamento do homem com uma mulher que não seja casada com ele, mas falando positivamente do relacionamento com uma mulher que seja sua esposa.

Há outro verso na Bíblia que ensina que Deus entendia claramente o instinto sexual que Ele próprio colocou no homem: “... é melhor casar-se do que ficar ardendo de desejo” (1Coríntios 7:9). Existe uma forma lícita, ordenada por Deus, de se liberar a pressão natural que é o ato conjugal.

O sexo entre marido e mulher é o método básico de Deus para a satisfação do instinto sexual. Através do ensino bíblico, vemos que é propósito de Deus que os cônjuges dependam totalmente um do outro para obterem satisfação sexual (leia 1Corintios 7; Deuteronômio 24:5; Gênesis 26:6-11).

Ao analisarmos essas passagens bíblicas, descobriremos algumas coisas: tanto o marido como a mulher possuem carências de ordem sexual, que devem ser satisfeitas no matrimônio. Quando uma pessoa se casa, ela perde, para o cônjuge, o direito ao domínio sobre seu corpo. Ambos são proibidos de se recusarem a satisfazer as necessidades sexuais do cônjuge.

Veja que essa não é a realidade de todos os casamentos, mas sim o ideal para um casamento. Você precisa avaliar dentro das limitações do contexto em que vive a realidade do seu casamento em direção ao ideal. Entenda melhor esses conceitos na leitura do livro: O Ato Conjugal. Tim e Beverly LaHaye - Editora Betânia.

O ato sexual é aprovado por Deus. Porém, lembre-se de Hebreus 13:4. Essa bênção é para o casamento!

Um abraço,
Pr. @Valdeci_Junior
Fátima Silva

sexta-feira, 20 de julho de 2012

ESPÍRITO É VENTO - Eclesiastes 09-12

Você já se deparou com a expressão “o Espírito volta para Deus”? E como pode ser isso se a Bíblia ensina que quem morreu está inconsciente, inerte, dormindo, aguardando a ressurreição que só acontecerá quando Jesus voltar? Como podemos explicar o que diz em Eclesiastes 12:7: “...o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu?”


Quando o homem foi criado, Deus pegou o “pó da terra”, que era corpo sem vida mais o fôlego de vida (o sopro de Deus) e os uniu. Assim, o homem passou a ser “alma vivente”. Nesse ensino, podemos ver que o homem não tem uma alma, ou seja, Ele é uma alma, uma pessoa, uma vida, a união da matéria física com a respiração. Nada mais que isso.

Alguém pode questionar: “Quando morremos, nossa alma morre? Mas alma não é a pessoa? Então, o que acontece com uma pessoa no seu falecimento?” Ela pára de respirar. A matéria orgânica do corpo se degenera no pó da terra, e o fôlego, saí, voltando para a atmosfera, que é de Deus. A fórmula é bem simples: pó da terra + fôlego de vida = alma vivente, uma pessoa; pó da terra - fôlego de vida = alma morta, um defunto, seja um animal ou uma pessoa.

A melhor explicação para esse significado de espírito, encontramos em Jó 33:4 (tradução - João Ferreira de Almeida): “O espírito de Deus me fez, e o assopro do Todo-Poderoso me deu vida.” Entendeu a explicação de Jó sobre o que é espírito? É o sopro, o vento, a respiração. Em seu livro, Jó também menciona: “Enquanto eu tiver vida em mim, o sopro de Deus em minhas narinas...” (27:3).

Jó 34:14 e 15 diz : “ Se Deus pensasse apenas em si mesmo e para si recolhesse o seu espírito e o seu sopro, toda a carne juntamente expiraria, e o homem voltaria para o pó.”

O espírito, ou seja, o fôlego da vida, volta para atmosfera, que pertence a Deus. Essa expressão significa isso, com uma força a mais, porque somente Deus é a fonte de toda a vida, como vemos em Apocalipse 21:6, João 4:14 e Provérbios 14:27. Sendo assim, concluímos que separados de Deus não somos nada, não temos como ter vida em nós mesmos. Só Ele pode oferecer o ar como um fôlego de vida, porque Ele é a única fonte de vida, como está escrito em Atos 17:28: “Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.”

Portanto, permaneça ligado a Ele para ter a garantia da vida eterna através da primeira ressurreição. Vitória em Cristo!!!

Um abraço,
 
Pr. @Valdeci_Junior
Fátima Silva

quinta-feira, 19 de julho de 2012

1000? Eclesiastes 05-08

Você está estudando o livro Eclesiastes? Está gostando? Porque, com muito carinho, quero lhe dizer que esse comentário perde completamente o sentido, se apenas ler essa meditação. Nosso “ponto de encontro” é só a motivação e o ponto de apoio para o estudo da Bíblia. Ele passa a ter sentido quando você realmente está cumprindo o nosso objetivo de fazer a leitura diária da Bíblia. E quem lê está sempre descobrindo coisas novas, nem que sejam perguntas novas.


Recebi uma pergunta de um irmão lá de Cachoeira do Itapemirim, no Espírito Santo. Ele questiona o que as palavras de Salomão, em Eclesiastes 7:27 e 28, querem dizer: “Veja”, diz o mestre, “foi isto que descobri: Ao comparar uma coisa com outra para descobrir a sua razão de ser, sim, durante essa minha busca que ainda não terminou [ou, algo que ainda não encontrei], entre mil homens descobri apenas um que julgo digno, mas entre as mulheres não achei uma sequer.”

E daí? O que isso significa?

Bem, no número mil, temos uma força de expressão, ou seja, uma figura de linguagem. Para dar ênfase na frase em que está sendo dita, alguns autores usam um número redondo e alto. Isso tem em mais lugares na Bíblia. Veja, por exemplo, em Êxodo 20:6, Êxodo 34:7 e Salmo 105:8. Mas, nesse verso, especificamente, Salomão simplesmente queria dizer que coisa raríssima é achar um homem perfeito.

Agora, a dúvida maior aparece quando você faz a comparação que o sábio fez dos homens com as mulheres. Parece que Salomão está dizendo que não existe uma mulher que preste, né? Se você que está lendo for uma mulher, fique calma porque o que ele diz é “não encontrou”. Existem pessoas que procuram muitas coisas que existem, mas, embora exista, o procurador não consegue encontrar. Não é porque Salomão não encontrou uma mulher do jeito que ele esperava que esse tipo de mulher não exista.

O autor não diz que não existem mulheres perfeitas. O que ele sugere é que essas mulheres estavam mais raras de encontrar que os homens. Talvez o único que ele tenha dito que tinha encontrado fosse o pai dele, o rei Davi. Afinal, o dono do ninho sempre elogia bem o ovo.

Salomão disse que procurou entre mil mulheres e não achou nenhuma. Ao ler 1Reis 11:3, você verá que ele tinha mil mulheres. A vida familiar dele era uma bagunça e, querendo agradar a todas, não agradou a nenhuma, porque mulher nenhuma vai gostar de dividir o marido com mais 999 concorrentes. Ele acabou só e frustrado.

Que essa situação não seja uma realidade na sua vida!

Um abraço,
Pr. @Valdeci_Junior
Fátima Silva

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Um Homem Chamado Norman

Resenha Crítica de Filme


Mike vive uma experiência que ele jamais programaria vivê-la: quebrar vários paradigmas preconceituosos e aparentemente prudentes da comunidade em que vivia para se aproximar de uma pessoa até certo ponto de aparências muito ameaçadoras. Além de fazer isto, ele entra na vida desta pessoa de uma forma tal que vem a mudar a vida desta pessoa. Como isso aconteceu? E o que acontece no final? Estas são as curiosidades que prenderam-me a assistir ao filme Um Homem Chamado Normam do começo ao fim.



Este filme é proveniente de um livro. O livro é um pouco antigo e não é possível encontrar muitas coisas sobre ele, mas é muito bom. Trata-se da história marcante de uma amizade que não foi construída de forma normal. São dois homens que superam seus temores e se aproximam para descobrirem as inesperadas recompensas que aguardam um indivíduo que ousa estender a mão ao seu próximo. Logo, em tal história, é visto exatamente o que somos capazes de fazer por um dos pequeninos de Jesus que estão habitando neste mundo, ou seja, ao próprio Jesus. Posso dizer que é um dos testemunhos mais fortes que já me foram expostos.


Assistir a este filme é uma idéia maravilhosa pra alguma reunião de crentes sobre missões. Não abordo aqui o assunto da missiologia para falar do aspecto missionário, mas sim, do missional. Principalmente quando, como supostos cristãos, não abrimos os olhos para ministrarmos o cristianismo aos que mais necessitam e que mais estão debaixo do nosso próprio nariz. Falo daqueles que são discriminados pela sociedade, como por exemplo os mendigos, os grupos minoritários, os homossexuais, os dependentes químicos, a classe proletária, os adeptos das mais esquisitas tribos radicais, os marginais, etc. Afinal, não são seres humanos que precisam de Jesus? Na realidade, existem muitos Norman’s por aqui, que estão precisando de uma palavra nossa, que estão precisando do nosso auxílio.




Dados do Filme:
Um filme de: James Dobson
Idioma: Dublado em português.
Duração aproximada: 50 minutos
Ano de produção: 1995
Distribuidora no Brasil: BV Films



Um abraço,


Pr. @Valdeci_Junior



ECLESIASTES - Eclesiastes 01-04

As palavras do mestre, filho de Davi, rei em Jerusalém: “Que grande inutilidade!”, diz o mestre. “Que grande inutilidade! Nada faz sentido!” Com essas palavras, introduzimos o livro Eclesiastes, escrito, também, por Salomão.


Eclesiastes fala muito a respeito da vaidade ou, segundo outras traduções, ilusão ou inutilidade. Esse é o livro da Bíblia onde mais encontramos essa palavra. Na versão Almeida Revista e Atualizada, que é a mais usada, a palavra vaidade aparece 28 vezes. Mas o que é vaidade para esse pregador?

O livro mostra, através da experiência pessoal do autor, que mesmo que alguém consiga ser bem sucedido em todos os setores da vida, possuir muitas riquezas, adquirir poder, acumular mulheres, etc., não conseguirá encontrar a felicidade nessas coisas, pois todas elas, um dia, irão passar. Quando passarem, se a pessoa não estiver firme em Deus, saberá que foi tudo vaidade, ilusão, sem valor, sem proveito algum.

Durante muitos anos, Salomão buscou a felicidade em todo o tipo de atividades. Construiu casas, desenvolveu plantações e teve muitas mulheres (Eclesiastes 2:1-11, 1Reis 10:23-27, 11:3). Ele ocupou-se dos mais diversos projetos imaginados. Entretanto, no fim da sua vida, reconheceu que tudo o que o homem faz sem Deus é correr atrás do vento (cáp. 1:14). Afirmou que o mais importante é reverenciar a Deus e obedecer-lhe (cáp. 12:13-14).

De tudo o que se tem ouvido, a suma é: “Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem. Porque Deus há de trazer a juízo todas as obras, até as que estão escondidas, quer sejam boas, quer sejam más” (Eclesiastes 12:13-14 RA).

Salomão escreveu esse livro bem no fim da sua existência, após avaliar muitas coisas boas e ruins que praticou. Ele escreveu sobre os problemas que passamos, sobre nossas ansiedades em relação aos amigos, ao dinheiro, à vida após a morte. Sem dúvida, não apenas nos versos finais, mas ao longo de todo o livro, encontramos informações relevantes para nós, hoje.

O testemunho do livro de Eclesiastes é particularmente aplicável quando quase todo o mundo busca freneticamente poder, beleza, riquezas e prazeres. É difícil seguir a Deus, em meio a tanta correria. Querer ficar rico, querer ter casas, poder, prazeres com um fim em si mesmo é uma vaidade tola. Porque só Deus pode satisfazer plenamente nossos desejos mais profundos. Só Deus pode conceder plena realização e significado na vida.

“Tu me farás conhecer a vereda da vida, a alegria plena da tua presença, eterno prazer à tua direita” (Salmo 16:11). Quando colocamos Deus em primeiro lugar em nossa vida, escapamos da vaidade e entramos no caminho da realização pessoal verdadeira.

Um abraço,
Pr. @Valdeci_Junior
Fátima Silva

terça-feira, 17 de julho de 2012

ESPOSINHAS QUERIDAS!!! - Provérbios 28-31

Mulheres, mulheres... Como elas são poderosas! O livro que tem mais intimidade com a Sabedoria dedica sua conclusão para falar da mulher virtuosa. Como ser virtuosa ou não se mostra de maneira mais plena na vida de uma mulher que já é esposa, vamos falar um pouquinho das “esposinhas”. Posso falar porque tenho uma.


Para ser uma esposa virtuosa, é preciso, em primeiro lugar, ordenar as prioridades certas, nutrir um relacionamento com Deus, ministrar ao marido, cuidar dos filhos, saber administrar a casa e, depois disso, acrescentar outras atividades que o tempo e a energia permitirem.

Aqui nessa passagem, você encontra tudo isso. Percebemos um retrato divinamente inspirado da esposa ideal que abrange aparência agradável, caráter piedoso, eficiência na administração do lar, assistência ao marido, atenção para os filhos, interesse pela comunidade, disposição para usar sua energia e criatividade e determinação para ser digna de honra e elogios.

Porém, a esposa também tem suas necessidades particulares que devem ser atendidas pelo próprio marido. Por exemplo, liderança espiritual (culto familiar com oração e estudo da Bíblia), afirmação pessoal, cuidado amoroso e terno (abrange toques, gentilezas e palavras de amor). Comunicação íntima, sensível e compreensível também faz parte, bem como integridade digna de respeito e transparência para que nada seja oculto, provisão e sustento, proteção e compromisso de leal devoção. Tudo isso, a Bíblia aponta que o marido tem a obrigação de prover.

A criação da mulher é descrita com a palavra “fez”. Ela significa, literalmente, construir. A mulher não foi o resultado de um comando, como as outras coisas da criação. Deus planejou e supervisionou essa construção com a intenção de que ela fosse uma auxiliadora comparável ao homem. A mulher foi projetada para ser da mesma natureza do homem. A palavra auxiliadora, no texto hebraico da criação, traz esse sentido. É uma palavra que é usada até para Deus em relação ao homem. E você, por ter a Deus como seu auxiliador, não imagina que Ele seja um ser inferior a você. Então, desse jeito é com a mulher em relação ao marido. Por ser auxiliadora, ela não é inferior, porque o marido também é, ou deve ser, auxiliador da esposa.

A esposa deve ajudar o marido como parceira espiritual, como congênere, de mãos dadas ao Criador, para dar continuidade às gerações; como confidente, para oferecer consolo e amizade; e como companheira, para proporcionar incentivo e inspiração. Quando chega a um casamento segundo os planos de Deus, é o maior presente que um homem pode receber nesta vida, depois da salvação. Aliás, maior que o próprio homem merece.

Resumindo, a mulher é maravilhosa, um presente de Deus!

Um abraço,
 
Pr. @Valdeci_Junior
Fátima Silva

segunda-feira, 16 de julho de 2012

QUENTURA!! - Provérbios 25-27

“Sem lenha a fogueira se apaga; sem o caluniador morre a contenda” (Provérbios 26:20). Esse verso me chamou a atenção na leitura de hoje. Pense: o autor de Provérbios comparou o caluniador, o briguento, o “esquentadinho”, com a lenha, ou seja, com o combustível, pronto para acionar um incêndio. E comparou também, a contenta, a briga, o desentendimento, com a fogueira.


Isso me fez lembrar a história de um “jogo quente” que aconteceu na primavera de 1894, em Boston. Tudo parecia normal. O time de beisebol, de Baltimore, os Orioles, saiu para jogar uma partida contra os Red Sox, os “Meias Vermelhas”, em Boston. O que se esperava era que fosse um jogo rotineiro, mas o que aconteceu foi tudo, menos rotina.

John McGraw, do Orioles, envolveu-se em uma briga, quando estava disputando a terceira base do outro time, dono da casa. Até aí, tudo bem, pois era só alguém separar a briga. Mas a coisa que eu jamais desejaria é que você estivesse presente lá, naquele dia. Em poucos minutos, todos os jogadores dos dois times estavam se pegando nos socos e pontapés. Virou pancadaria!

Mas o pior é que não parou por aí. O barraco que estava armado lá embaixo repercutiu nas torcidas. O conflito dos times brigando foi tão feio, que se reproduziu entre as torcidas e começaram a brigar. E nessas brigas de multidão, o indivíduo briga sem nem saber o porquê. O povo enlouqueceu. Colocaram fogo nas galerias. O estádio pegou fogo, literalmente, num incêndio que o queimou inteiro.

Como o estádio queimou todo, o fogo se alastrou para mais 107 construções, prédios, casas, domicílios de Boston. Tudo porque um membro de um dos times começou a discutir. Uma verdadeira tragédia!

Nesse dia, cumpriu-se essa metáfora quase que profética de Salomão: O briguento serviu de combustível, e a briga pegou fogo. Acho que esse foi o jogo mais quente da história do beisebol e de outros esportes.

Isso que aconteceu serve para ilustrar o tamanho das conseqüências que nossas atitudes podem ter. Plante uma semente e colherá uma floresta. Plante uma pequena intriga e pode ser que chegue a colher a desgraça de muita gente. Faça o contrário: plante amor para colher pessoas queridas para o reino de Deus.

Pense nisso! Pode ser que você não veja um incêndio na cidade por causa de cada discussãozinha que tiver, mas saiba que todas as nossas ações afetam as outras pessoas, mexendo no estado de felicidade delas. Você não quer ser prejudicar as pessoas, não é mesmo? Então, não coloque lenha na fogueira. Sempre que aparecer uma desavença, jogue um balde de água fria.

Um abraço,
 
@Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

domingo, 15 de julho de 2012

MEU FILHO, DÊ-ME O SEU CORAÇÃO - Provérbios 20-24

Você viu que pedido lindo temos na leitura de hoje? Provérbios 23:26 diz: “Meu filho, dê-me o seu coração.”


Você sabe por que Jesus faz esse pedido para nós? É que Cristo conhece nossa miséria, os combates e as tribulações, a fraqueza e as enfermidades do corpo. Ele sabe da nossa covardia, dos nossos pecados e desfalecimentos. Sabe que o nosso coração sofre muito com isso tudo. Então Ele pede: “Dê-me o seu coração, deixe-me cuidar dele para você”.

Se formos esperar virar anjo para nos entregarmos ao amor, nunca iremos amar. Mesmo recaindo sempre nas mesmas faltas, embora sendo covardes na prática da virtude, não podemos deixar de amar Jesus. Nosso coração é paupérrimo em amor, mas mesmo assim, é esse amor que Deus quer.

É claro que Deus nos transformará em seres gloriosos quando formos para o Céu, mas até lá, Ele nos ama do jeito que somos: na miséria, na fraqueza. Mesmo estando lá no fundo do poço, Ele ainda deseja que continuemos a gritar: “Senhor, eu Te amo!” Para Ele, o que importa é o cantar do nosso coração. Cristo não necessita das nossas virtudes; Ele espera a entrega do coração.

Deus nos criou apenas para o amor! Então ame! Se você amar, o resto você irá realizar sem nem perceber! O que mais devemos procurar é preencher o momento presente com amor.

Reflita sobre o comportamento do Senhor dos senhores e Rei dos reis. Ele, como um mendigo, fica na beira da porta de entrada do nosso coração, esperando que abramos a porta! Fica batendo e esperando: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei...” (Apocalipse 3:20).

Parece irônico? Deus dramatiza um papel que é a nossa identidade: mendigos. Nós é que devíamos implorar, mas Ele considera-nos como reis e rainhas.

Ame a Cristo Jesus do jeito que é. Não espere ser santo para se entregar ao amor, porque se esperar isso, a vida passará e nunca conseguirá amá-Lo. Alguém que passa por essa vida sem amar perdeu a oportunidade de descobrir a razão da sua própria existência.

Você não consegue amar Jesus? Então, entregue sua vida nas mãos de Deus. Renda-se. Diga isso para Ele a fim de que aconteça o cumprimento da profecia que Paulo fez em Efésios 3:17: “Para que Cristo habite no coração de vocês mediante a fé; e oro para que, estando arraigados e alicerçados em amor, vocês possam, juntamente com todos os santos, compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento.”

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



sábado, 14 de julho de 2012

PLANTANDO IGREJAS COM AUBREY MALPHURS E EMÍLIO ABDALA


Uma ótima aula sobre plantio de novas igrejas! Foi a classe que assisti no dia 28 de junho de 2012. E eu quero compartilhar aqui com você um pouquinho do “Ciclo Biológico” de plantio de igrejas de Aubrey Malphurs, sob a análise crítica de Emílio Abdala.

O livro Planting Growing Churches apresenta um modelo de planejamento para o surgimento de uma nova igreja olhando para o modo como acontece o nascimento de um bebê, onde há a concepção, o desenvolvimento, o nascimento, o crescimento, a maturidade e a reprodução. Sendo estas, tanto as fases de vida do ser humano quanto de uma igreja saudável.

É na fase da concepção sobre o nascimento da nova igreja que devem ser visados os valores centrais desta nova igreja. Por isso, é importante, antes de tudo, criar a declaração de missão para tal projeto, juntamente também com o desenvolvimento de uma visão. Feito isto, é importante realizar-se pesquisas na comunidade, para conhecê-la melhor. Pois, uma vez que o público alvo é reconhecido, então, conscientes das necessidades deste público alvo, é possível aos plantadores a elaboração de uma estratégia. Ponto importante, pois quem falha no planejamento está planejando a própria falência. Mas uma vez que a estratégia foi elaborada, então é importante, logo em seguida, a implementação da estratégia. E algo indispensável, no final desta primeira fase, já é uma avaliação do que está acontecendo e do que está proposto a acontecer.

Na fase do desenvolvimento da nova igreja, os missionários que estão trabalhando para isto devem ser selecionados pelo líder. Esta seleção do núcleo da nova igreja deve acontecer para que haja o treinamento destes líderes. Algo bom a implementar para ajudar neste processo são os pequenos grupos. Isto tudo criará um ambiente propício para que o grupo tenha sabedoria quanto à localização do local para a nova igreja. E é dos pequenos grupos que surgirá (ou surgirão) a nova igreja (ou, as novas igrejas). Logo, os evangelismos individuais e públicos já poderão começar a acontecer.

É aí que vem a fase do nascimento. Assim como os pais e o obstetra escolhem a data da cesariana, o núcleo de missionários plantadores da nova igreja também devem definir sobre quando vão começar. Nesta definição, se escolhe também o nome da futura igreja e a localização do auditório permanente das reuniões. Pois tendo estas informações básicas, então poder-se-á realizar o indispensável marketing que ajudará a atrair o público-alvo para a primeira e as conseguintes reuniões. Por isto, é muito importante que a primeira reunião (e as demais também) seja muito bem planejada.

E o processo não pára. Nasceu, vai ter que crescer. Básica para o crescimento de uma nova igreja é a existência de uma forte liderança bem implementada e treinada, que tenha uma sadia visão de crescimento e que irá servir como o staff pastoral desta nova congregação. É esta liderança que irá realizar a mobilização dos membros, ajudando na assimilação dos novos membros e na organização para as próximas fases de mais crescimentos.

Crescimento traz maturidade. Na fase de maturidade da igreja, muitas atividades devem ser designadas para tanto. Igreja que trabalha é igreja sadia. E é, de novo, a liderança desta nova igreja que a ajudará em seu amadurecimento, ajudando a igreja no seu crescimento conceitual onde, racionalmente, os membros sabem quem são, onde estão, o que fazem e pra onde vão. Provavelmente, será somente quando isto acontecer, que esta nova comunidade estará pronta para ter sua sede própria. Ou seja, esta é a hora de construir ou adquirir um prédio próprio de adoração.

Os seres vivos nascem, crescem e reproduzem-se. E a igreja é um organismo vivo! Logo, para manter o ciclo da vida, até de si mesma, a nova igreja já deve começar a pensar em reproduzir-se, na expansão do crescimento de igreja. Em Planting Growing Churches, Aubrey Malphurs apresenta não somente as razões para se fazer isto, bem como mostra quando e como isto deve ser feito, descrevendo todas as etapas da fase de reprodução.

E assim continua o ciclo da vida do corpo de Cristo, num processo infinito de um grande movimento de plantio de igrejas que não deve parar nunca.

De acordo com Emílio Abdala, este modelo de plantio de igrejas de Malphurs é muito bom, mas como nada é perfeito, ele tem suas limitações. “Uma limitação desta abordagem está na ênfase no nascimento em termos de seu primeiro serviço público de adoração”, apresenta Abdala. E outra limitação tem que ver com o fato de que, como este método foca-se em efetuar o nascimento da nova igreja através das reuniões nos lares, encarará o fato de que “igrejas nos lares raramente têm uma inauguração pública”. Levando isto em conta, se você é um missionário determinado a trabalhar no movimento de plantio de igrejas, você pode, seguramente, usar o manual de Malphurs como um norteador para tal trabalho.

E que Deus lhe abençoe como um missionário dEle!

Um abraço,

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior



CRISTO PODE SER VISTO - Provérbios 16-19

Para você, quem é Jesus? Se você está lendo este comentário e dá ouvidos à Palavra de Deus como um cristão, imagino que já aceitou Jesus como seu Salvador pessoal. Então, para você, Jesus é o seu Rei, Mestre e Salvador, certo? Na realidade, se somos cristãos, Jesus deve ser o centro da nossa vida.


Uma vez que estamos lendo o livro de Provérbios, pergunto: Quem é Jesus para o livro de Provérbios? Todo o Antigo Testamento tem o Cristo Revelado, mas parece que nesse livro não tem nenhuma referência direta a Ele, nem tipológica nem profética. E isso é muito evidente.

Na realidade, a personificação da Sabedoria que tem em todo o livro de Provérbios é feminina. Apesar disso, tem algumas passagens, como em Provérbios 8:23-31, que até parece ser uma descrição de Jesus Cristo, aquele que João 1:2 diz que no princípio estava com Deus, que 1Coríntios 1:24 diz que é a sabedoria de Deus.

De uma coisa podemos ter certeza. O livro de Provérbios efetua um serviço poderoso em aguçar o apetite humano pela sabedoria e conhecimento. Um tipo de fome que só pode ser satisfeita em Jesus.

Então, de forma bem parecida com a lei de Moisés, esse livro descreve um ideal, uma aspiração ou um desejo por perfeição. É curioso que nem mesmo o próprio Salomão era perfeitamente sábio. Porque, se fosse assim, não teria desagradado a Deus ou não teria desobedecido a Deus de forma tão flagrante (ver 1Reis 11:9-11).

A questão é que somente mais tarde, em Jesus Cristo, veio o exemplo pleno de tudo o que o livro dos Provérbios traz como exortação. Porque, afinal de contas, Jesus foi e é Aquele em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e ciência, como nos ensina Colossenses 2:9.

Por outro lado, as qualidades da Sabedoria terminam sendo as mesmas qualidades de Cristo: obediência a Deus, boa conduta, paciência, confiabilidade, humildade, diligencia, percepção das coisas como de fato elas são... e por aí vai. Todas elas, e também a qualidade do amor, são perfeitamente encontradas na Sabedoria dos provérbios de Salomão, e também ilustradas na própria personificação do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Então, tenha certeza de que você pode encontrar o Cristo Revelado no livro de Provérbios através dessas comparações que trazem verdadeiras aplicações do texto bíblico para nós, hoje em dia. A grande pergunta que fica para nós é: “E aí, também podemos ser comparados com essas personificações do bom ensino do livro de Provérbios?”

Como cristãos, estamos vivendo de forma parecida com a Sabedoria? Leia os capítulos de hoje e faça suas próprias conclusões.

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



sexta-feira, 13 de julho de 2012

ENRAIZAMENTO PROFUNDO - Provérbios 12-15

Há tantas coisas boas, tantos conselhos sábios, tantas palavras preciosas na leitura de hoje, explanados de forma tão clara, que quase dispensa qualquer comentário.


Portanto, resolvi comentar apenas sobre Provérbios 12:3: “Ninguém consegue se firmar mediante a impiedade, e não se pode desarraigar o justo.” Em outras palavras, não é possível desenraizar o justo. Fiquei pensando sobre como deve ser a raiz de uma pessoa justa.

Na natureza, existe algo que ilustra muito bem isso. Você já ouviu falar das sequóias da Califórnia? Estou questionando isso porque as sequóias da Califórnia estão entre os seres vivos mais antigos e de maior tamanho que existem. Você acredita que essas árvores chegam a ter mais de 90 metros de altura e conseguem viver até 3000 anos? Incrível, né?

Olhar para uma arvore dessa causa admiração. Porém, mais impressionante que ela é a parte que você não consegue ver da árvore e fica por baixo do chão: as raízes. Já pensou como deve ser o sistema de raízes para conseguir sustentar uma árvore de 90 metros de altura?

Você sabe que a sequóia tem um emaranhado achatado de raízes que pode chegar a estender-se por um hectare e meio de terra? Esse enorme complexo de raízes serve como uma verdadeira âncora, que dá firmeza para que a árvore possa suportar enchentes, ventanias e outros ataques da natureza, como, por exemplo, os terremotos.

E é interessante que o rei Salomão resolveu usar a metáfora do sistema de raízes de uma árvore forte em um de seus provérbios para ilustrar o que queria dizer. Na The New English Bible diz: “Nenhum homem pode estabelecer-se por meio da perversidade, mas os homens bons têm raízes que não podem ser arrancadas.”

Quem não segue a Deus, na realidade, encontra-se em terreno que não tem segurança alguma. O sucesso que o perverso aparentemente consegue é temporário porque, como lemos ontem, em Provérbios 10, até a esperança do ímpio irá perecer.

Isso é uma advertência para aquele tipo de gente que diz ser cristã, mas como Jesus mesmo disse em Mateus 13:21, não têm raízes em si mesmos e daí termina tropeçando no “próprio dedão do pé”. Paulo ensinou como é isso em Efésios 4:14. O que nos faz titubear na vida cristã são os falsos ensinos. Portanto, cuidado com as interpretações erradas da Bíblia.

Do mesmo jeito que as raízes da sequóia se esparramam chão adentro, nossa mente precisa se aprofundar muito bem na Palavra de Deus. Porque, se nossa fé estiver bem enraizada no estudo profundo como um estilo de vida, nada vai nos abalar.

Então, com muita dedicação, faça seu estudo da Bíblia!

Um abraço,
 
@Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Daniel - Discernindo 2

Interceda

Leia Daniel 9:2-19. A oração de Daniel é bastante notável. Ele mistura reverência pelo Senhor com completa franqueza. Louva e invoca. Mas não está meramente focado em seu próprio relacionamento com Deus. Preocupa-se, também, com seu povo diante do Todo-poderoso. Nessa oração, ele intercede por eles, confessando seus pecados e implorando pela misericórdia do Senhor.


Quem precisa das suas orações intercessórias? Sua família? Você tem parentes que não conhecem a Deus? Você tem um colega de trabalho ou um vizinho precisando da misericórdia de Deus?

Como Daniel, podemos orar com paixão pelas pessoas a quem amamos. Deus quer que peçamos sua ajuda.

Inteceda!
 
Um abraço,
 
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


Fonte: A Bíblia da Mamãe, em Inglês.

SABEDORIA QUESTIONADORA - Provérbios 08-11

Posso começar fazendo uma pergunta? Já perguntei, né? Quando lemos a Bíblia, surgem muitas perguntas na cabeça da gente. É até irônico, porque, geralmente, antes de ler a Bíblia, já temos as perguntas e os questionamentos. Daí, procuramos a Bíblia na esperança de encontrar resposta para esses questionamentos e, então, não ficar mais com nenhum ponto de interrogação. Mas o que acontece é que, apesar de encontrar as respostas para os anseios mais profundos, vão surgindo outros questionamentos para o leitor da Bíblia.


É como Howard Hendrikcs ensina no livro “Ensinando Para Transformar Vidas”. Hendriks é um grande mestre da área da educação. Ele ensina que um bom professor não é aquele que fica respondendo todas as perguntas. O verdadeiro mestre levanta mais perguntas porque isso põe o aluno para pensar e aprender a aprender sozinho.

Pensando nisso, estou escrevendo decidido a fazer algumas perguntas para você. Posso? No meu trabalho, estou acostumado a responder perguntas. Recebo e-mails e cartas para responder as dúvidas bíblicas. Há alguns internautas que escrevem para mim fazendo perguntas, e eu respondo a todos. No entanto, hoje, vou fazer o contrário. Eu é que quero perguntar.

Primeira pergunta: Com quem a Sabedoria mora? Você sabe? Em outras palavras, quem mora com a Sabedoria? Antes que você responda, vamos para a próxima pergunta.

Segunda pergunta: Você sabe de quem a Sabedoria gosta?

Terceira pergunta: Você sabe qual é a data de nascimento da Sabedoria? Pergunta esquisita, né? Mas é isso mesmo que você leu: Quando a Sabedoria nasceu? Tente responder. Mas, enquanto pensa, a próxima pergunta é: Quem encontra a Sabedoria, encontra o que? É... Quem se encontra com a sabedoria, na realidade, está se encontrando com outra coisa. Você sabe o que é?

Cada pergunta, não é mesmo? Mas não pense que é coisa de louco, pois são questionamentos da Bíblia.

As respostas para todas essas perguntas estão na leitura de hoje. Nela, fala com quem a Sabedoria mora, fala de quem a Sabedoria gosta, conta quando a Sabedoria nasceu e explica com o que nos encontramos quando nos encontramos com a Sabedoria. Curioso, né? E tem muitas outras informações sobre a “dona Sabedoria”.

Pois é... Conhecimentos profundos trazem questionamentos profundos também. Você sabe quem tem mais perguntas sobre as estrelas? Um astronauta. A questão é que quanto mais conhecemos sobre um determinado campo de conhecimento, mais descobrimos que não sabemos nada sobre aquilo. Ter Sabedoria é, também, ter humildade para reconhecer isso, afinal, ela proporciona satisfação a longo prazo e conduz à vida. Com a insensatez, acontece o contrário: proporciona gratificação imediata e, ao final, leva à morte.

Ame a Sabedoria!

Um abraço,
 
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



quarta-feira, 11 de julho de 2012

Daniel - Discernindo

O meu Deus enviou o seu anjo, que fechou a boca dos leões. Eles não me fizeram mal algum, pois fui considerado inocente à vista de Deus. Também contra ti não cometi mal algum, ó rei.
Daniel 6:22

Gatinho bonitinho

A despeito das conseqüências letais, a história da obediência de Daniel é um grande relato. Em uma noite que deveria ser sua última, ele enrolou-se no pelo macio do rei da selva. Deus enviou seus emissários para neutralizar o apetite e a ferocidade dos leões.


Nossas famílias, na maioria das vezes, nunca enfrentarão algo tão dramático como a noite na cova dos leões de Daniel. Todavia, podemos supor que venhamos a lidar com alguns inimigos ferozes. O apóstolo Pedro chama o demônio como o “leão que ruge procurando alguém para devorar” (1Pe 5.8).

E assim como Deus manteve Daniel seguro no meio de leões vorazes, ele protegerá a nós e nossas famílias em meio aos esquemas sórdidos de Satanás.

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


Fonte: Adaptado de A Bíblia da Mamãe, em Inglês.

SEJA PURO SEXUALMENTE - Provérbios 04-07

Estou muito feliz em poder comentar mais alguns trechos das Escrituras, onde nos encontramos fielmente, todos os dias. Eu disse fielmente, porque, na leitura de hoje, encontrei muita advertência contra a infidelidade, melhor dizendo, contra o adultério. Um tema que se destaca em toda a Bíblia é intenção de Deus de que maridos e esposas sejam fiéis um ao outro. Em provérbios 4-7, é esse o assunto que está em destaque.


Você já parou para pensar ou pesquisar sobre o que é o adultério na Bíblia? Para reforçar esse assunto, veremos o que encontramos sobre o adultério fora do livro de Provérbios.

Em primeiro lugar, a maior regra moral da Bíblia, que são os Mandamentos de Deus, proíbe o adultério. Êxodo 20:14 diz: “Não adulterarás.” Esse é o sétimo mandamento. O escritor do livro de Provérbios que viveu meio milênio depois que esse mandamento foi escrito conhecia muito bem ele.

Mas o que a Bíblia entende por adultério? Várias coisas... Deixar a esposa ou o esposo, por causa de outra pessoa, é legalmente possível, mas, aos olhos de Deus, é adultério. A Bíblia diz em Lucas 16:18: “Quem se divorciar de sua mulher e se casar com outra mulher estará cometendo adultério, e o homem que se casar com uma mulher divorciada estará cometendo adultério.” Palavras de Jesus, hein? Além do divórcio e novo casamento não fazerem parte dos planos originais de Deus, quando eles existem, o que há, na realidade, é o adultério, a quebra do mandamento.

Outra coisa que é considerada adultério da Bíblia é cobiçar a mulher ou homem alheios. A Bíblia diz em Mateus 5:27 e 28: “Vocês ouviram o que foi dito: ‘Não adulterarás’. Mas eu lhes digo: ‘Qualquer que olhar para uma mulher para desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração’.”

Você acha que Jesus foi muito duro? Vamos lembrar da história do evangelho de João 8, quando apresentaram a mulher adúltera para Jesus para ser apedrejada.

Como tratou Jesus a mulher adúltera? João 8:10 e 11: “Então Jesus pôs-se em pé e perguntou-lhe: ‘Mulher, onde estão eles? Ninguém a condenou?’ ‘Ninguém, Senhor’, disse ela. Declarou Jesus: ‘Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado’.” Veja como Deus lida com o caso de adultério.

Vá e não peques mais. Porque, no fundo no fundo, a vontade de Deus para nós é que evitemos a imoralidade sexual. Encontramos o seguinte em 1 Tessalonicenses 4:3: “A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual.”

Não deturpe o relacionamento que você tem com a pessoa que ama! Ouça os conselhos do Senhor!

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



terça-feira, 10 de julho de 2012

Daniel - Semelhança Divina

Então Daniel respondeu ao rei: “Podes guardar os teus presentes para ti mesmo e dar as tuas recompensas a algum outro. No entanto, lerei a inscrição para o rei e lhe direi o seu significado.
Daniel 5:17

Escrita Na Parede
 
Não era para ser uma festa surpresa, mas tornou-se. Bem no meio da noite estridente do rei Belsazar “apareceram uns dedos de mão de homem e escreviam, defronte do candeeiro, na caiadura da parede do palácio real” (5.5). Apesar de não estar tão embriagado, o rei ficou completamente aterrorizado. As visíveis intervenções de Deus na história humana tendem a ser bastante impressionantes.


O fato é que Belsazar, ao passar dos anos, tinha falhado em reconhecer as mensagens mais suaves de Deus. Ele havia ignorado as poderosas lições que seu pai Nabucodonosor aprendeu e não se preocupou em perceber a gentil liderança de Deus em sua própria vida. Assim, Deus apareceu na festa com um estardalhaço inegável.

Não precisamos cometer o mesmo erro de negligenciar a atividade de Deus em nosso passado. Podemos destacar os pontos onde o envolvimento de Deus e suas bênçãos têm sido evidentemente claras. Isso deveria nos dizer alguma coisa.

Podemos usar esses eventos inesquecíveis como degraus para o futuro. As decisões de amanhã podem ser moldadas por aquilo que experimentamos da mão do nosso Pai celestial ontem. O plano de Deus para nossa vida sempre incluirá alguma medida de pura fé, mas suas ações passadas deveriam nos impulsionar para a direção certa. É provável que não vejamos a mão de Deus escrevendo na parede, mas, por causa do que ele já fez, seu plano será bem claro.

Um abraço,
 
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


Fonte: Adaptado de A Bíblia da Mamãe, em Inglês.

PROVERBIANDO - Provérbios 01-03

Hoje, estamos entrando para o livro chamado Provérbios de Salomão! Espero que você esteja feliz em poder começar a leitura de mais esse livro da Bíblia. O livro de Provérbios traz uma verdadeira coleção de máximas morais e religiosas que instruem acerca da maneira correta que precisamos ter para viver. Ele também contém discursos breves sobre sabedoria, justiça, temperança, trabalho, pureza e vários outros assuntos. Não é uma miscelânea, é um poço de sabedoria.


Nesses ditos, que são, ao mesmo tempo, concretos e expressivos, temos as descrições dos grandes contrastes que existem entre a sabedoria e a insensatez, entre a justiça e o pecado.

Embora o título desse livro, hoje em dia, seja Provérbios de Salomão, acredita-se que ele não foi o único autor. Ele deve ter escrito a maioria dos provérbios, mas podemos observar que encontramos provérbios escritos por Agur e Lemuel, por exemplo.

Independentemente de qualquer autor, o objetivo dessas máximas proverbiais é dar instrução moral, especialmente para os jovens. Uma expressão-chave que encontraremos muito no livro é “temor do Senhor” que, nesse sentido, indica reverência submissa e não pavor. Sabemos que o princípio da sabedoria é o temor do Senhor. Temer ao Senhor e amá-Lo não são atitudes contraditórias, mas inseparáveis. É o pré-requisito para a obediência.

Aprendemos muito com o grande e sábio Salomão. Ele, muito mais um guia que um exemplo, pelo menos, durante um pedaço de sua vida, mostrou o caminho da sabedoria, mas, em boa parte do tempo de vida dele, não andou pelo próprio caminho que havia mostrado. Quando já estava bem velho, voltou para os caminhos do Senhor, mas as conseqüências ficaram. Seu filho, Roboão, seguiu o exemplo dele do tempo em que ficou apostatado no lugar de seguir seus conselhos. Por causa disso, Roboão tornou-se um governante insensato e mau.

Você irá gostar de ler o livro de Provérbios. Hoje, iniciamos lendo três capítulos. E ao ler um pouco a cada dia, até o dia 17, terminaremos a leitura do capítulo 31. Em apenas oito dias, teremos lido o livro de Provérbios inteiro.

Mas hoje, em Provérbios 1, você lerá sobre o propósito. Irá conhecer algumas advertências que a Sabedoria faz, e daí receberá um convite a Sabedoria. Para que, então, no capítulo dois, você entenda sobre o valor da Sabedoria. No capítulo três, receberá, portanto, os conselhos da sabedoria. Resumindo, o propósito da leitura para este dia é um encontro com a Sabedoria.

Somos instruídos a fazer nossa parte na busca da Sabedoria para colher os maravilhosos resultados prometidos. Deus concede Sabedoria como um presente para os que verdadeiramente a buscam. Aproveite a chance de tornar-se sábio!

Um Abraço,

@Valdeci_Junior
Fátima Silva

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Daniel - Nosso Deus é Supremo

Falava ainda o rei quando desceu uma voz do céu: “A ti se diz, ó rei Nabucodonosor: Já passou de ti o reino.
Daniel 4:31

O rei Nabucodonosor foi, certamente, um dos homens mais poderosos na Terra. As crônicas de suas bem-sucedidas campanhas militares eram numerosas. Sua riqueza o colocava entre os mais influentes do mundo conhecido. Um dia, enquanto ele estava passeando no telhado de seu palácio novo, refletiu sobre suas grandes realizações e regozijou-se como um tolo. Mas o soberano Deus tinha outros planos. De forma incrível, em questão de momentos, esse homem estridente foi despojado de sua coroa e enviado para viver com os animais selvagens.

Aqui, há uma mensagem para nós. O rei Davi afirmou: “Deus reina sobre as nações; Deus se assenta no seu santo trono. Os príncipes dos povos se reúnem... porque a Deus pertencem os escudos da terra; ele se exaltou gloriosamente” (Sl 47.8-9).

Podemos facilmente cair na armadilha de olhar para líderes humanos como a fonte da nossa segurança. Quer seja um chefe no trabalho ou um líder de uma nação, ninguém tem habilidade para respirar ou construir um império sem a permissão de Deus. É por isso que a altivez e o orgulho são motivos de riso. De fato, a soberba precede a ruína (Pv 16.18). À luz do nosso santo Deus, cada um de nós “não pense de si mesmo além do que convém” (Rm 12.3). Tudo o que temos vem de suas mãos e não das nossas.

Nabucodonosor esqueceu isso, e o Senhor escolheu ensiná-lo de uma forma que chamou sua atenção. Pela misericórdia de Deus, o rei retornou ao poder após seu tempo de humilhação nos campos. “Mas ao fim daqueles dias, eu, Nabucodonosor, levantei os olhos ao céu... e eu bendisse o Altíssimo, e louvei, e glorifiquei ao que vive para sempre” (4.34). Esta é uma boa teologia para um rei pagão que tolamente presumiu que sua dinastia era impenetrável.

A História continuará a nos recordar trágicos relatos daqueles que assumiram que nunca lhes seria tirado o que possuíam. Muitos dos poderosos cairão. Nossa esperança e confiança não devem estar em pessoas poderosas ou em nós mesmos, mas no Senhor, cujo reino nunca cairá.

Um abraço,
 
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

Fonte: Adaptado de A Bíblia da Mamãe, em Inglês.

A DANÇA NA BÍBLIA - Salmos 145-150

É uma pena que chegamos ao fim do livro dos Salmos. Foi rápido, não é mesmo? Nesse último salmo, há um texto que precisa ser explicado. Refiro-me ao Salmo 150 que, em muitas Bíblias, parece falar para os crentes que, através da dança, louvem ao Senhor.


Como é possível louvar ao Senhor com a dança? Na realidade, se cruzarmos esta passagem bíblica com muitas outras, ao analisarmos as referências bíblicas quanto à dança, veremos que muitas das danças israelitas eram de natureza litúrgica, bem como, acompanhadas por hinos de louvor a Deus. Geralmente, essas danças litúrgicas, e não de entretenimento, eram praticadas entre grupos de pessoas do mesmo sexo e não tinham nenhuma conotação sensual. Perceba que, na organização da adoração, por exemplo, no templo, vemos a dança em algum momento ou outro, quando alguns indivíduos tomavam a iniciativa de dançar. Se Deus aprovou isso ou não, daí é outra história.

Na realidade, no Novo Testamento, não vemos nenhuma evidência de que a igreja cristã primitiva fizesse uso da dança.

Mas e quanto ao Salmo 150? O salmista chama o povo de Deus para louvar ao Senhor “pelos seus poderosos feitos”. Esse é o tema do salmo. Se verificarmos no original hebraico, a palavra que aparece no verso quatro, machowl, quer dizer, literalmente, “em forma circular”, que poderia ser um movimento corporal em forma circular.

É muito difícil interpretar todas as nuances daquele contexto cultural, porque nenhum de nós viveu lá, para sentir na pele todos os detalhes.

O que sabemos é que hoje a dança não é recomendável. Isso porque a dança se transforma em um dos maiores estimuladores do sensualismo. Geralmente, ela é praticada sob um ritmo sensual de músicas profanas. Mesmo não se envolvendo diretamente em relações sexuais explícitas, seus participantes geralmente se entregam ao sensualismo mental. Isso não é bom.

Há quem pergunte se, no Céu, no contexto de pureza, longe de toda maldade, voltaremos a ter a dança de forma pura, principalmente para adorarmos e louvarmos a Deus. Não sabemos tudo sobre o Céu. Aí, o negócio é se preparar e esperar chegar lá para então poder saber. O que sabemos é que, seja o que for que encontrarmos lá, adoração com dança ou sem dança, será o melhor para nós.

Mas hoje, ao invés de dançar, vamos fazer o que o princípio dos salmos da leitura de hoje nos pede, e que seja possível na nossa cultura: louvar ao Senhor com cânticos e com instrumentos.

Um abraço,

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



domingo, 8 de julho de 2012

Daniel - Andando em Convicção

Há uns homens judeus, que tu constituíste sobre os negócios da província da Babilônia: Sadraque, Mesaque e Abede-Nego; estes homens, ó rei, não fizeram caso de ti, a teus deuses não servem, nem adoram a imagem de ouro que levantaste
Daniel 3:12

Está um pouco quente aqui

Pra qualquer adulto que, de alguma forma, influencia pessoas mais novas, aqui está uma história para lembrar enquanto tentamos educar crianças de caráter. O rei Nabucodonosor tinha criado um deus de tamanho único - um enorme ídolo feito de ouro. Para promover unidade no reino, esperava que todos, mesmo os israelitas, cujo exército ele havia capturado, o reverenciassem. Infelizmente, o rei e seus associados julgaram mal o comprometimento dos três jovens homens: Sadraque, Mesaque e Abede-Nego.

Esses companheiros de Daniel enfrentaram a indescritível pressão da cultura pagã que os rodeava. Corajosamente, “responderam Sadraque, Mesaque e Abede-Nego ao rei: Ó Nabucodonosor, quanto a isto não necessitamos de te responder. Se o nosso Deus, a quem servimos, quer livrar-nos, ele nos livrará da fornalha de fogo ardente e das tuas mãos, ó rei. Se não, fica sabendo, ó rei, que não serviremos a teus deuses, nem adoraremos a imagem de ouro que levantaste” (3.16-18).

E quanto aos nossos filhos e filhas? Temos falado com eles sobre que decisões tomar na hora de permanecer firmes em relação aos valores que honram a Cristo, confiando em nosso Deus, não importando o quê? Temos discutido sobre os ídolos que procuram nos tirar da retidão que Deus manda?

O enfurecido rei Nabucodonosor sentenciou esses bravos homens a morrer e atirou os três israelitas dentro da fornalha. Mas Deus providenciou seu anjo – literalmente sua própria presença, o anjo do Senhor – a juntar-se a eles no meio do fogo, e suas vidas foram poupadas.

O que quer que desafie a experiência de jovens cristãos, eles precisam ouvir de nós que o próprio Jesus estará com eles, também. Ele pode misericordiosamente livrá-los, como esses homens foram libertos, ou não. Com certeza, vai esquentar um pouco para todas nós quando enfrentarmos provas de fogo, mas temos a promessa de que nada nos separará do amor de Cristo (Rm 8.38-39). Em nossas provações, Deus é glorificado quando nos apegamos a ele com firme convicção, confiando nele, não importando o resultado.

Um abraço,
 
Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva

Fonte: Adaptado de A Bíblia da Mamãe, em inglês.

SOLUÇÃO ARANHA - Salmos 140-144

Você já precisou receber algum livramento? Já aconteceu de precisar de um livramento e parece que Deus deu, como solução, algo que não era o que esperava receber?


Um homem estava em uma floresta, sendo perseguido por bandidos muito maus que queriam acabar com a vida dele. Se eles o encontrassem, o matariam, com certeza. Correndo de um lugar para o outro, no meio do mato, aquele homem achou uma greta e entrou. Mas o que aquele homem não sabia era que aquele lugar era um beco sem saída.

Agora ele estava em apuros, literalmente em um mato sem cachorro. Ali, ele ficou quieto, esperando a morte chegar. Mas teve uma idéia.

Sem ter para onde ir, nem podendo voltar, escondeu-se atrás de um pequeno arbusto, agachou-se e fez uma oração para Deus. Quem sabe, Deus poderia livrá-lo. Então, clamou:

- Oh, Deus, tenha misericórdia de mim. Coloque, Senhor, um anjo na entrada desta fenda. Um não, Senhor, dois... Pensando melhor, uma dúzia. Somente um grande milagre poderá me salvar.

Ele ficou esperando... Os perseguidores estavam procurando, chegando cada vez mais perto. E parece que nada acontecia. Nenhum anjo aparecia. E ele ficou observando tudo, no silêncio. A única coisa que ele viu foi uma aranha perturbando-o, mexendo-se para lá e para cá. Ele até pensou em matá-la, mas para não fazer barulho, ficou parado.

Aparentemente, parece que nem Deus, mas só aquela aranha, era a companhia dele. Será que ele ira morrer mesmo? Será que Deus não mandaria uma proteção?

Enquanto ouvia o aproximar-se do som dos pesados passos de seus perseguidores, aquele homem começou a observar que aquela aranha, de um modo incrivelmente rápido, tecia uma teia bem na entrada do lugar onde havia se escondido. Quando os bandidos se aproximaram da entrada do beco, um deles disse:

- Aí nesse buraco, com certeza, ele não entrou não porque tem teia de aranha aí. Vejamos do outro lado. E foram embora.

Que tipo de livramento diferente, simples, mas eficiente! Já pensou, uma teia de aranha? Que força tem uma teia de aranha, comparado a uma grande rocha que Deus poderia ter colocado na boca daquela gruta? Que força tem um inseto comparado a um anjo? Deus nem sempre responde do jeito que queremos; Ele responde do jeito que precisamos.

Não sei se você está precisando de um livramento, mas quero convidar-lhe a ler os salmos 140-144. Você se identificará com eles, pois são salmos de clamores por livramento: simples e eficientes, do jeito que Deus trabalha. A solução de Deus pode ser diferente da sua, então, não despreze as pequenas soluções. Deus está cuidando sempre!

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva



sábado, 7 de julho de 2012

Daniel - Decida Antes de Sentir Fome

Passados os dez dias, eles pareciam mais saudáveis e mais fortes do que todos os jovens que comiam a comida da mesa do rei.
Daniel 1:15

Passando Adiante
 
Depois de serem capturados, Daniel e seus amigos foram selecionados especialmente para trabalhar na corte do rei. Essa nomeação veio com um intenso regime de treinamento e crescimento, com refeições incluídas. Eram-lhes servidas refeições que haviam sido dedicadas a ídolos, tornando-as proibidas ao povo de Deus comer. Mas Daniel “decidiu” não tornar-se impuro com os alimentos do rei. Antes que qualquer situação tentadora se apresentasse, já tinha feito o propósito de permanecer fiel a seu Deus. Ele baseou sua escolha no que seria agradável ao Senhor (Rm 8.5).

Isso levanta uma questão interessante para você e eu. E aqui, não estou falando apenas de comida. Penso nas coisas que podemos fazer porque todo mundo está fazendo, apenas porque são normas. A pressão que enfrentamos para afivelar a tensão é muito profunda, não é? E sabemos que isso também é verdade para nossas crianças em todas as horas. Hoje, vivemos em uma cultura que é muito parecida com Babilônia: sedutora e pecadora. Entretanto, podemos falar sobre nossas escolhas, planos futuros e orar para que, juntamente com nossos cônjuges e filhos, tenhamos, no nosso coração, o propósito de honrar e obedecer a Deus em todas as situações.

Deus foi fiel para com os jovens cristãos que haviam obedecido a seus comandos e passado no teste. Estamos plenamente cientes dos testes que nos cercam, pois vivemos em nossa própria Babilônia. Podemos, intencionalmente, premeditar tudo o que fazemos – o que comprar, vestir, ler, ouvir, jogar e consumir – propondo em nosso coração com o que é compatível a uma pessoa que segue ao Senhor Jesus? Nossas convicções aparecem mesmo em coisas simples, como o que consumimos e como passamos nosso tempo livre. Podemos nos moldar tomando decisões sábias e encorajar nossas filhas e filhos a tomar pequenas decisões compatíveis com as mulheres ou homens que eles desejam ser algum dia também.

Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva


Fonte:Adaptado de A Bíblia da Mamãe, em inglês.

ATÉ ONDE VAI ESSA CIÊNCIA? - Salmos 135-139

A tecnologia é incrível! Geralmente não paramos para pensar nisso, mas reflita um pouco nas maravilhas do que a tecnologia pode fazer. Imagine se não tivéssemos alguns dos aparelhos que temos hoje.


Já pensou se com o tanto de aviões engrossando o tráfego aéreo que existe atualmente, os pilotos tivessem que pilotar sem o auxílio dos instrumentos?

E o que dizer da maravilha que é um guia eletrônico para localizar endereços pela tecnologia “GPS”? Qualquer endereço, naqueles lugares mais difíceis de saber andar, longe, do outro lado da metrópole paulistana. É só seguir o que o aparelho vai dizendo, virando esquina por esquina, sem saber ao certo para onde está indo e, com certeza, terá um momento em que ele vai dizer: “Parabéns! Você chegou ao destino desejado.” É incrível, não é?

E aqueles aparelhos por tecnologia de raio X que há nos aeroportos? Uma vez, fui pego. Eu estava indo viajar e estava usando uma mala que há muito tempo estava guardada. E não é que num bolso, bem escondidinha, estava lá uma tesoura? Eu nem imaginava que estava carregando-a. Mas na hora de passar no raio X, o aparelho viu tudo. E lá se foi a tesoura para o lixo. A tecnologia não deixa escapar nada.

Porém, muito mais incrível que uma tecnologia de GPS, raio X, ultra-sonografia, laparoscopia ou qualquer outra coisa, é um recurso descoberto no Israel Antigo, há milênios, e registrado num dos salmos da nossa leitura de hoje.

Perceba que acompanhamento minucioso! Ele nos conhece por completo: sabe quando sentamos e levantamos. Tem até um sensor que percebe nossos pensamentos. Há, também, uma capacidade de monitorar nosso trabalho e pode funcionar como localizador. Tem a capacidade de fazer uma leitura labial antecipada, antes que a boca se mexa. E assim, como uma cápsula, nos envolve por todos os lados. Tal ciência é maravilhosa demais, não acha?

E se você está conectado a esse recurso, ele é capaz de localizar você em qualquer canto do planeta, vivo ou morto, até dentro do caixão. Ele é tão fantástico que pega em qualquer lugar e não se limita a horários, não precisa de recarga, não custa nada. Uma outra coisa dele é que tem um histórico, um registro completo da vida toda do usuário, desde o dia em que o usuário era só um embrião.

Você não está acreditando? Então, para completar: se ligarmos esse recurso em nós, ele é capaz de moldar até o nosso caráter.

Está tudo na Bíblia!!! Leia sobre esse recurso, que é a onisciência, onipotência e onipresença de Deus descritas no Salmo 139 e maravilhe-se. É incrível!



Pr. Valdeci Júnior
Twitter: @Valdeci_Junior
e
Fátima Silva